Como página inicial

Sistema de Representação Comercial para Representantes Comerciais

Adicionar a Favoritos

.

JORNAL De REPRESENTAÇÃO comercial sdr - EDIÇÃO Nº 221 - 06.09.2003

.

SDR - SISTEMA DE REPRESENTAÇÃO

MIGUEL PEDRO TERRA VELAZCO

EDITOR DO JORNAL SDR

fone: 51 3019 2817

.

Funções do Sistema de Representação Comercial e Vendas - SDR

Testes do Sistema de Representação Comercial e Vendas - SDR

SDR - Sistema de Representação, Vendas e Serviços

Manual do Sistema de Representação Comercial e Vendas - SDR

Biblioteca dos Jonais de Representação Comercial SDR

Assinatura livre e gratuita do Jornal de Representação Comercial

Contrate os melhores e mais capacitados Representantes Comerciais

Anúncios de Indústrias solicitando Profissionais em Representação Ciomercial

Contato com a Equipe do SDR Sistema de Representação

As melhores Dicas sobre softwares livres, Bibliotecas, Links...

FUNÇÕES

TESTE

compra

MANUAL

JORNAIS

ASSINe

saiba

anúncios

contato

dicas

.

.

.

.

.ÍNDICE DAS MATÉRIAS DO JORNAL DICAS DA SEMANA.

.

..CARTAS RECEBIDAS E DICA DA SEMANA

..HISTÓRIA DAS MARCAS: - "KETCHUP"

..ARTIGO DO PROF. JOSÉ TEOFILO NETO - "AUMENTE SEUS LUCROS: LIGUE ANTES E VÁ DEPOIS!"

..CURIOSIDADES, FRASES E IDÉIAS

..ARTIGO DO PROF. J. A. WANDERLEY - "VOCÊ QUER CHEGAR A UM ACORDO?"

..TRANSPORTES E LOGÍSTICA

..ARTIGO DO PROF. LUIS VIEGAS - "RUMO A EMPRESA CÓSMICA"

..PIADAS DA EQUIPE DO SDR

..ARTIGO DA PROF. ROBERTA CABRAL - "MARCA É TODA COMUNICAÇÃO"

..INTERNET, FUTURO E NOTÍCIAS.

..

...

.

.

.

.

 

CARTAS RECEBIDAS DAS AMIGAS E AMIGAS - JORNAL N°220

.OBRIGADO E SEJAM TODOS MUITO BEM VINDOS!

SALUS, HONOR, VIRTUS  QOE-QUE

(DO LATIM - SAÚDE, VIRTUDE E HONRA INTERMINÁVEL)

LEONARDO JANUÁRIO SILVA
SOU LEITOR ASSÍDUO DESTE JORNAL E GOSTARIA MUITO DE CONTINUAR RECEBENDO ESTAS IMPORTANTÍSSIMAS INFORMAÇÕES PARA MINHA MELHOR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL.

JOSÉ LUIZ ROCHA - KALMAR REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS LTDA.

QUERO COMPRAR O CD BIBLIOTECA COM A ANUALIDADE.  - ACHAMOS A IDÉIA SENSACIONAL. JÁ TEMOS UTILIZADO O JORNAL COM SEUS ARTIGOS MOTIVADORES E ESCLARECEDORES. VOU DIVULGAR O MAXIMO POSSÍVEL.
CONTINUEM, 
UM ABRAÇO

JOSÉ AUGUSTO DE ARAÚJO  
ESTOU FAZENDO MARKETING DE VAREJO, PORTANTO GOSTARIA DE ESTAR ATUALIZADO SOBRE O ASSUNTO E CONTO COM A VOSSA AJUDA.

DENISE ORDONEZ
OLÁ...
ACHEI ESTE SITE MUITO INTERESSANTE; ESTOU INICIANDO NA ÁREA DE VENDAS NO SEGMENTO DE CALCADOS, E PUDE ATRAVÉS DE VÁRIOS ARTIGOS PUBLICADOS, PEGAR VARIAS DICAS QUE ESTÃO ME AJUDANDO BASTANTE A SABER COMO LIDAR COM O COMPRADOR E ETC..
PARABÉNS , COM CERTEZA NÃO SÓ A MIM , MAS A VARIAS PESSOAS ESTE SITE TEM ACRESCENTADO MUITO.

MIRIAM JOVINO DOS SANTOS
GOSTARIA DE RECEBER O JORNAL POIS A EMPRESA ONDE EU TRABALHO RECEBE E ACHEI MUITO INTERESSANTE, E GOSTARIA DE ESTAR RECEBENDO TAMBÉM.

JOVANI TONATO
DESEJO RECEBER EM ABERTO O JORNAL DOS SENHORES, POR CONSELHOS DE AMIGOS QUE DIZEM SER FANTÁSTICO.

ALEXANDRE AMARO DE OLIVEIRA SILVA
ESPERO OBTER EXCELENTES RESULTADOS COM A EXPERIÊNCIA DO JORNAL.

ANA PAULA
VOCÊS SÃO ÓTIMOS.  PARABÉNS!

ZILDA SIMIONATO
OBRIGADO, DESDE JÁ POIS É UM PRAZER RECEBER ESTE JORNAL.
PARABÉNS

SAMUEL RAMOS RENCK
UM ABRAÇO A TODOS DO JORNAL,

GISELLE APARECIDA ERNESTO - TECHSEAL VEDAÇÕES TÉCNICAS LTDA
ESTOU ESTUDANDO ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E GOSTARIA DE RECEBER ATUALIDADES NA MINHA ÁREA.
OBRIGADO,

JOSÉ ANTONIO VOLPINI  -  METRONORTE CONCESSIONÁRIA CHEVROLET

olá...........gostaria de receber o jornal nesse formato...HTML COMPLETO!
um abraço!!!!!!

Giovanni Gabriel de Souza Gabriel

Prezados Sr.(s)
Tenho acompanhado assiduamente o jornal e parabenizo pelo trabalho que vem realizando. Eu tenho 25 anos e estou no último ano de conclusão do curso de Gestão de Representações Comerciais em Belo Horizonte, tendo em vista as novas tendências do mercado gostaria de me posicionar melhor perante as empresas.
gostaria de algumas dicas para buscar novas parcerias. Estou também fazendo meu trabalho de conclusão de curso sobre a Atuação da Representação Comercial na Área de Vendas, se tiverem algum material que eu
possa utilizar ficarei grato.
Dede de já agradeço pela atenção, Cordialmente,
Giovanni Gabriel
Belo Horizonte MG

LUIZ CARLOS BASTOS - tecidos Nellitex LTDA.
LI ALGUMAS DICAS DO JORNAL E ACHEI MUITO BOM, GOSTARIA DE RECEBÊ-LO.

.

.

 DICA DA SEMANA

.

" O CAVALO E O JAVALI "

..

.

.
Todos os dias o cavalo selvagem saciava sua sede em um riacho raso. Ali também acudia um javali que, ao remover o barro do fundo com as patas e o focinho, deixava a água turva.

.
O cavalo lhe pediu que tivesse mais cuidado, mas o javali se ofendeu e o chamou de louco. Acabaram se encarando com ódio como os piores inimigos.

.
Então o cavalo selvagem, cheio de ódio foi pedir ajuda ao homem. - Eu enfrentarei esta besta disse o homem mas deves permitir que eu monte em ti.

.

O cavalo aceitou e saíram em busca do inimigo.

.
Encontraram-no próximo do bosque e antes que pudesse se esconder, o homem acertou a sua lança e o matou. - Livre do javali o cavalo entrou no rio para beber em suas águas claras, certo de que não voltaria a ser molestado.

.
Mas o homem não pensava desmontar. - Fico feliz de haver te ajudado lhe disse, não só matei esta besta que me alimentará e seu couro me vestirá, senão também capturei um esplêndido cavalo.  - E, mesmo resistindo, o obrigou a fazer a sua vontade e lhe pôs rédeas e cabresto.

.
Ele que sempre havia sido livre como o vento, pela primeira vez em sua vida teve que obedecer à um dono. Ainda que a sua sorte estava lançada, desde então se lamentou noite e dia: 

.

Burro de mim! Os incômodos que me causava o javali não eram nada comparados com isto!  - Por dar valor demais a um assunto sem importância, terminei sendo escravo!
.

.
"Às vezes com o afã DE castigar o mal que nos fazem, 

.

nos aliamos com quem tem intenções de nos dominar."
.

.

FEDRO 
.

Muito pouco é o que se sabe de Fedro. Mas muitas das fábulas de Esopo foram reescritas em verso pelo poeta grego Babrio, provavelmente nos séculos I e II a.C., e em latim pelo poeta romano Fedro no século I d.C. 

 

.

..

.

.

.

.

.

.

.

.

 

KETCHUP

.

A palavra ketchup vem da palavra chinesa "ke-tsiap" que era um molho com vários componentes, incluindo até tripinhas (puajjjj) de peixe, mas não incluindo tomate (se parecia um pouco com o shoyu ou molho de soja e um pouco com o molho do tipo Worcestershire  - ou molho inglês). Da China passou para a Malásia, onde se converteu em "kechap" e logo a Indonésia onde se converteu em "ketjap."

.

Houve uns marinheiros ingleses lá pelo século XVIII que se aficionaram a este condimento e o começaram a trazer para a Inglaterra. Parece que foi em 1690 quando a palavra ketchup apareceu em forma escrita pela primeira vez. Isso de adicionar tomates começou depois de 1790 e já para o século XIX se conhecia como "tomato soy sauce". Logo passou para os EUA onde começaram a engrossa-lo já que no início o molho era bastante líquido.

.
Uma referência diz que em 1804 um cientista chamado James Mease, escreveu que: "
Love Apples made a fine catsup." ('Love apples' se referiam aos tomates). Também tem três receitas de "tomate ketchup" em um livro de receitas intitulado "The Universal Receipt Book" (1814) e em 1817 um doutor chamado William Kitchner publicou a primeira receita verificável de "Tomata Catsup".

.

Em 1829 Lydia Chiled da Nova Inglaterra defendeu uma tese, afirmando que o melhor ketchup era aquele feito à base de tomates. Produtores comerciais da mesma época usavam nomes tais como Catsup, Kotchup, Cornchop, Cotpock, Kotpock, Kitsip, Catsoup, Catchup, Katsup, Catsip, Cotsup, Katshoup, Katsock, Cackchop, Kutpuck, Kutchpuck and Cutchpuck. De todos estes nomes, eventualmente só ficaram três:" Heinz Ketchup, Del Monte Catsup, e Hunts ", que curiosamente embalava o mesmo produto com três nomes diferentes: Hunts Catsup, Hunts Ketchup e Hunts Tomato Cornchops. - Nas décadas de 70 e 80, a proliferação das cadeias de hamburgers deu um novo empurrão no negócio. Hoje, a marca é servida em 4 de cada 5 restaurantes americanos.
.
Como colocar 25 tomates numa garrafa
Em 1869 Henry John Heinz era um produtor de mostarda da Pensilvânia que vendia o seu produto numa garrafa de vidro transparente. Ele acreditava ser possível vender ketchup em massa e começou a experimentar e acrescentou vinagre, sal, especiarias e açúcar para quebrar com a acidez, até descobrir uma das combinações ideais. Heinz, marca norte-americana de produtos alimentícios embalados, ocupa um lugar importante na vida diária de milhões de consumidores em mais de 140 países e tem se transformado em uma das marcas mais respeitadas a nível mundial, pela qualidade e a variedade de sabores e com ícones como o pickle ou o ketchup, que conta com mais de 125 anos de vida e só no ano passado vendeu mais de 650 milhões de garrafas ao redor do mundo. O posicionamento atual de Heinz é uma conjugação da trajetória da marca com acertadas estratégias publicitárias (como a famosa "
57 variedades") com o lugar central de seus molhos, sopas e legumes na conformação do estilo de vida estadunidense, a incursão em novos segmentos com o atum ou os congelados e até o novo posicionamento do ketchup à nível mundial. 
.
Desde os 16 anos de idade, Heinz vendia vegetais e se dedicava ao cultivo de suas próprias sementes e a manutenção das plantações, e o resultado dessas colheitas era vendido para os seus vizinhos de Pittsburgh - EUA. Já em 1869, começou uma sociedade com L. C. Noble e criou a Heinz, Noble & Company, que se especializava no cultivo de picantes em um pequeno acre de Sharpsburg, Pensilvânia. Em 1872 se uniu um novo sócio, E.J. Noble, e se diversificou a carteira de produtos com pickles, vinagres e molhos de aipo. Nesse mesmo ano, a empresa se mudou para Pittsburgh, localidade sede da empresa até hoje. A empresa faliu e fez Heinz unir esforços com seu irmão e seu primo a criar das cinzas a H. & J. Heinz Company. Mais tarde a empresa se converteu em F.& J. Heinz (em 1876) e seus produtos começaram a chegar a todas as regiões importantes dos EUA, Heinz introduziu no mercado um produto singular, chamado ketchup ou molho de tomate. 

.

Outros produtos novos foram a manteiga de maçã (apple butter), o molho de pimenta (pepper sauce) e a carne picada. Graças ao crescimento da companhia, que já contava com uma imensa fábrica na cidade de Allengheny, Henry John Heinz havia se tornado milionário e era uma das celebridades dos EUA. Allengheny City, não foi de qualquer maneira, a única sede: - A companhia abriu sub-sedes em estados como Iowa, Nova York e Michigan. Do outro lado do Atlântico, os produtos de Heinz foram importados (ao Reino Unido) pela casa Fortnum e Mason. - A primeira fábrica aberta neste país começou a operar em 1905. Depois da morte do fundador em 1919, seu filho Howard se encarregou do negócio e passou a ocupar a presidência. A expansão de Heinz foi mundial graças as estratégias de publicitárias, de marketing e de logística. 

 

Os slogans daqueles anos relacionados conceitualmente com a 2ª Guerra foram "Ervilhas para os bombardeiros" (Beans to bombers' e "Pickles para caçar aviões" 'Pickles to pursuit planes). Talvez um dos dados mais importantes na forma de fazer negócios, Heinz manteve sempre uma política de empresa de proteção social para os seus funcionários, com a construção de refeitórios, jardins, auditórios e bibliotecas. Os novos produtos inovadores que saíram ao mercado foram a comida para bebês e as sopas prontas para o preparo. - Já não restava dúvidas de que a Heinz era a maior empresa processadora de alimentos do mundo. Na segunda metade do século, a companhia já contava com suas próprias fábricas industriais na Holanda (1957), Venezuela (1960), Japão (1962) e Itália (1963). Depois de quatro décadas de gerenciamento familiar em 1966 o controle da companhia passou para as mãos de R. Burt Gookin (um não familiar), que foi escolhido e nomeado Ceo. Era conhecido como o "arquiteto moderno da Heinz". Mas tratando-se de visionários foi Anthony J.F. "Tony" O'Reilly que expandiu a carteira de mais de 200 produtos aos mercados da África, China, Europa do leste e Oceania. 
.
O slogan "
57 variedades" foi produzido pelo mesmo H. J. Heinz, que se inspirou em um anúncio de um edifício de Nova York que anunciava "21 estilos de sapatos" para uma importante casa de calçados. A Heinz lhe encantou a idéia e em 1896 a adotou para a sua companhia, ainda que escolheu o mítico número 57 em honra ao seu suposto significado especial. O resultado foi uma das campanhas de maior êxito na história da publicidade. Então os produtos da Heinz chegavam às 200 variedades, uma característica que se manteve vigente por quase cinco décadas. Além do mais a empresa construiu cartazes elétricos localizados estrategicamente em todo o país. 

.

Um dos mais impressionantes estava em pleno coração de New York: Um pickle elétrico de 40 pés (12 metros) de altura, localizado na rua 23 e a avenida Broadway. Os gigantescos anúncios da Heinz não passaram despercebidos para crianças, jovens e adultos, que ficaram impressionados com a sua magnitude, a tal ponto que faziam o impossível para se fotografarem junto à eles. Estas estratégias, somadas ao merchandising inicial alentado pelos diretores da empresa, converteram a Heinz em uma das marcas mais populares dos EUA e Canadá. 
.
Para os observadores da indústria, no começo a Heinz tinha sido uma empresa de Pickles, por isso o seu fundador havia sido apelidado '"
O Rei do Pickle". Este enlatado teve o seu próprio logo, que consistia em um pickle visto de perfil com a palavra Heinz no centro, lançado antes do famoso molho de tomate. H. J. Heinz se encarregou de promover o produto, presenteando uma vez ao ano, prendedores com a forma verde vegetal àqueles que visitavam as instalações da companhia. O pickle de Heinz foi um dos produtos mais conhecidos, mas não chegou a ser tão famoso como o ketchup, é que se pode combinar com uma grande variedade de comidas. Mas seu consumo a nível mundial não é tão difundido. Talvez por que para produtos deste tipo o consumidor deve investir mais tempo no preparo. No entanto, hoje o pickle vem ganhando terreno nos mercados mundiais graças a sua incorporação na dieta diária em sanduíches, saladas, comidas leves e nas tradicionais entradas.

O grande acerto de Heinz foi a variedade de produtos que oferecia às donas de casas dos EUA para preparar refeições diárias. As publicidades sempre faziam referência as
57 variedades, presentes com frases como "How many of 57 do you know?" ("Quantas das 57 você conhece?").  - Desde a publicidade, as embalagens de Heinz,  as sopas, a linha de legumes, as comidas para bebês e os pickles,  se mostravam como produtos bons e saudáveis pelo seu valor nutricional, mas sobre tudo como aqueles que facilitavam a pesada tarefa diária de cozinhar. O mundo da mulher podia ser um pouco mais prazeroso se utilizasse o grande sabor de Heinz, estratégia, não de todo equivocada, já que o futuro do rol da mulher logo mudaria seu lugar. Nos primeiros tempos a Heinz trabalhou com agências pioneiras da publicidade norte-americana como N.W. Ayer & Son e J. A. Hill, entre outras, nesses primeiros anos se mostravam geralmente ilustrações em branco e preto ou coloridas dos atraentes produtos, como em "WomaN'", os anúncios se dirigiam em sua maioria à mulher, por que ela era encarregada da compra na casa. As publicidades eram acompanhadas de longos textos que descreviam a constante variedade de enlatados da Heinz, que exigia as donas de casa saber as diferenças de sabor dos diferentes produtos e a maneira de combina-los com novas comidas. 

.

Um exemplo disso é a manteiga de maçã em "Heinz Apple Butter". Hoje pode-se dizer que estas publicidades gráficas, da primeira metade do século XX, educaram mas sobretudo informaram aos consumidores acerca da qualidade gráfica e variedade de sabores da Heinz. Estas estratégias permitiram a Heinz posicionar-se como o "sabor do bom" para todos os integrantes da família estadunidense e inclusive comunica-lo assim em publicidade como "Heinz 57 Pure Food Products", dirigido aos mais pequenos.
.
O ketchup Heinz, combinação de tomate e espécies, recria o sabor ideal do molho de tomate, já que conjuga todas as variedades de vegetal vermelho (picante, agrio e doce) em um só. Por sua vez, o ketchup se caracteriza por sua suave textura e uma coloração vermelha intensa. Heinz foi uma das primeiras marcas em vender o produto embalado em garrafa de vidro. Este material foi utilizado para mostrar que os ingredientes do produto não eram adulterados. A imagem do ketchup Heinz tem mudado a sua packaging, mas não a sua essência. O legendário logo, com sua respectiva etiqueta, apareceram em 1876 como o primeiro recipiente octogonal de vidro transparente (na atualidade é de plástico reciclável). Mas a singular garrafa de ketchup é reconhecida ainda que sem a sua etiqueta. O orgulho da Heinz é pensar que na geladeira dos consumidores tem sempre uma garrafa de ketchup Heinz.

A diversidade de produtos da Heinz foi crescendo, já na década de 70 e 80 (a tal ponto que a companhia compreendia quase todas as categorias de produtos embalados alimentícios), e a marca pode apontar novos targets. Para os observadores da indústria, o crescimento se deve, por um lado, ao aumento do consumo à nível mundial, por outro, o alcance da competência, com protagonistas como a Pepsi Co. ou Hershey Foods, entre outras. Vale dizer que a gigante companhia de alimentos teve que crescer não só tirando novas marcas, senão também adquirindo outras já legendárias.

Hoje a Heinz se divide em sete categorias de produção: 

  • Condimentos e molhos;

  • Sopas, legumes e massa;

  • Atum; 

  • Comidas para bebê; 

  • Alimentos congelados; 

  • Alimentos para animais;

Para os novos consumidores, Heinz é sinônimo, principalmente, dos melhores molhos e condimentos, já que é quase impossível para o consumidor distinguir as 5.700 variedades de produtos da marca. Por sua vez, todos os produtos não estão presentes em todos os países. A imagem do ketchup passou a novas mãos nos anos 70, quando Leo Burnett se encarregou de aumentar a fama do molho de tomate e chegar aos novos jovens menos endinheirados. Uma das peças mais lembradas foi o "AnticipatioN", um comercial em que se utilizava a canção de mesmo nome interpretada por Carly Simon. Na atualidade, a imagem da Heinz é desenvolvida mundialmente por Leo Burnett, talvez uma das agências mais espertas em marcas globais. O novo enfoque globalizado para a companhia chegou da mão de William Johnson, o novo presidente da Heinz, que declarou que a sua idéia era "dar a Heinz a qualidade de marca estrela como a Coca Cola ou Nike". O grande desafio de Leo Burnett é reposicionar a imagem da Heinz como um ícone, tarefa nada fácil - mas não impossível - para os criativos publicitários. 

.

Para a companhia alimentícia, o objetivo é estandardizar seus produtos. Desde Heinz, um dos primeiros passos será reforçar o sistema de logística nas grandes cadeias de supermercados, armazéns de comida e verdureiros. Um dado muito importante é o sistema de distribuição para tudo o que for condimento e molho em cadeias de bares e restaurantes. Por outro lado uma das estratégias é reposicionar os produtos, como o Ketchup, e fidelizar os novos targets as crianças e os mais jovens, segmentos que se mostram com a mente mais aberta para as variedades de molho de tomate e os variados tipos de sabor. O ketchup da Heinz não só vem em cor vermelha: - a marca já lançou o ketchup de cor verde. E não deve esquecer de uma das descobertas mais importantes, realizada em 1998: o novo atributo principal do ketchup seria que seus ingredientes (Lycopene,un poderoso antioxidante que que é produzida pela cor avermelhada dos tomates e protege as células do corpo), que ajudariam a diminuir os riscos do câncer.
.
Hoje por hoje, o molho de tomate Heinz está posicionado como o genérico do ketchup na categoria de condimentos e também como um produto clássico. Com isso, Heinz tem ingressado ao universo das empresas que tem sabido construir ícones para suas marcas e produtos. A imagem desenvolvida por Leo Burnett tem sido reconhecida pelo ambiente publicitário e pelos pares criativos. Talvez duas das melhores peças, enquanto a simplicidade na comunicação dos atributos do ketchup, sejam "
French fries' & Chop", criadas por Leo Burnett França. Ambas as gráficas que levaram um leão de Ouro em Pôster de Cannes 2000. Um dado muito importante destas duas gráficas é que já não é necessário mostrar o vidro do ketchup: o consumidor já o reconhece só pela sua etiqueta. Mas em se tratando de garrafas, sachets e etiquetas de ketchup, está a campanha desenhada por Leo Burnett Chicago, "LÁPIS". Nelas a maneira de um jogo didático, diz ao consumidor aquilo que sempre quis saber do ketchup mas tinha medo de perguntar. Este estilo de humor para a gráfica também é utilizado por Leo Burnett Dinamarca em peças nas quais se muda a mensagem da etiqueta por 'The only American you can hit without getting sued': - "O único americano EM que podes BATER sem ser demandado".
.
O ketchup de Heinz também tem um forte acento latino, como na peça "
Bienvenidos", desenhada pela exitosa Publicuatro de Panamá (que levou nada menos que o Grand Prix no Festival Caribe 2000) e foi finalista no Fiap 2000. Na Venezuela, Leo Burnett pode dizer que comunicou em três palavras o avanço da Heinz: 'Lento mas seguro'. Em matéria publicitária, a imagem do molho de tomate não é a única reconhecida, já que segue muito perto John West, marca de atum número um no Reino Unido. A peça 'Fishing', de Leo Burnett Inglaterra, teve grande êxito em Cannes 2000, onde levou dois Leões de Prata um em Press e outro em Poster. Além do mais, obteve Grand Prix no rubro Gráfica no Festival de Londres 2000.
.

PESQUISA, DESIGNE E ADAPTAÇÃO DA EQUIPE DO SDR

.

.

.

..

.

.

.

.

.

.

.

.

.

" AUMENTE SEUS LUCROS "

.

LIGUE ANTES E VÁ DEPOIS!

.

SR. PROF. JOSÉ TEOFILO NETO
.
DIRETOR
COMUNICAÇÃO DIRETA CONSULTORIA.

.

.
A disputa acirrada por poucos clientes somada aos recursos escassos, faz do Tele-agendamento uma alternativa de baixo custo e alto retorno, cujas aplicações mais usuais são:

  • Recuperação de clientes inativos

  • Agendamento de visitas em clientes potenciais

  • Confirmação de presença em eventos (RSVP)

Cada uma destas aplicações requer um planejamento pré e pós telefonema específicos, sendo que a que requer maiores cuidados é a recuperação de clientes inativos, que passaremos a analisar em seguida.
.
A recuperação de clientes inativos é provavelmente a operação de melhor índice de retorno, porém exige cuidados especiais de planejamento das operações, onde telefonar se constitui uma das muitas variáveis a serem administradas.
.
Recomenda-se que antes do inicio das ligações seja feita uma avaliação de toda a cadeia do processo comercial, ou seja, antes, durante e depois de efetuada a venda. Verifique se: 

  • O cliente está sendo visitado pelo vendedor; 

  • Como está sendo a freqüência de visitas; 

  • Sua equipe de faturamento tem apresentado falhas entre o combinado e o faturado; 

  • A expedição não cumpre prazos; 

  • A assistência técnica não funciona; 

  • Seu gerente comercial foge dos clientes que só reclamam? 

Identifique suas falhas e corrija-as!  - Feito isto, retire de seu cadastro aqueles clientes cujo histórico de pagamentos não recomenda novos créditos. Retire também aqueles clientes que não compram "há anos" pois não pega bem você lembrar-se da falta deles somente agora.
.
Negocie com seus vendedores, informando-os desta nova empreitada que será a reconquista destes clientes, não sem antes puxar-lhes as orelhas, pois não deveriam existir clientes inativos caso, ao primeiro sinal de "
não compra" os clientes tivessem sido imediatamente contatados, para se aferir o motivo de não surgirem novos pedidos.
.

Lembre-se : não existem clientes inativos e sim empresas negligentes com seus clientes.
..

Avise seus vendedores externos que:

  • Não devem anteciparem-se às ligações, saindo feito loucos a campo, tentando chegar antes delas. Isto vai dar uma idéia de bagunça, de desorganização e provavelmente irá reforçar nos clientes os motivos pelos quais ficaram inativos.

  • Visita agendada é visita efetuada, não sendo permitidas alterações e muito menos, reconfirmações, atrasos e faltas às mesmas.

  • Avise-os também que não se trata de venda efetuada, pois se assim fosse, bastaria ser tirado o pedido quando do contato telefônico. Exija deles seu talento de apresentar o produto e fechar a venda!

  • É bom frisar aos envolvidos que todo o cuidado é pouco, pois se agora tem-se um cliente inativo, se alguma falha ocorrer, não teremos um ex- cliente e sim um inimigo. 

  • Estabeleça critérios de avaliação ou punições caso o cliente volte a ficar inativo. O normal, na reincidência, é tirar o cliente da carteira do vendedor.

.

Luzes, câmeras, ação!

.
.

Treine seu pessoal do tele-agendamento e de campo; faça um script vencedor; organize seu cadastro de inativos e dimensione sua capacidade de visitas/dia, o tempo total que deve durar a campanha e mãos à obra. Se você não tiver estrutura para realizar as ligações, contrate uma agência de tele-marketing. Administre sua ansiedade; pois os resultados normalmente giram em torno de:

 - 25% de clientes que pretendem uma nova visita do vendedor. 

 - Outros 20%, querem o envio de folhetos, lista de preços, etc. 

 - O restante você perdeu. É do jogo!

Esteja preparado para ouvir críticas, muitas críticas, pois alguns clientes estarão com feridas abertas. Seja humilde e corrija as falhas apontadas, pois os seus clientes ainda são os melhores certificadores da sua qualidade.

O agendamento de visitas a clientes potenciais reduz drasticamente o custo das vendas pois irá otimizar o tempo de seus vendedores, eliminando cerca de 50% do seu tempo que é gasto em identificação de clientes e o famoso chá de cadeira. Mas você terá outros custos....
.
É muito difícil conseguir um agendamento com um cliente potencial através de um simples telefonema, sem que ele saiba um pouco mais sobre você. 
.
Uma dupla poderosa é a mala direta e o telefonema em seguida (lembre-se de colocar um telefone, caso o cliente queira antecipar-se ao seu contato). Você pode trocar a mala direta por uma carta de apresentação de sua empresa e de seus produtos. 
.
A confirmação de presença em eventos reduz os gastos e o risco de enfarto, dada a ansiedade que nos assombra quando da sua realização. Compare os custos desta operação de confirmação versus os custos de uma pessoa num coquetel, por exemplo. Vale a pena telefonar!
.
E tem mais:

  • A pessoa contatada sente-se bastante diferenciada com seu interesse em saber de sua presença no evento. Ponto positivo! 

  • Se, por qualquer falha de envio, a pessoa contatada não tiver recebido o convite, você poderá redimir-se a tempo. Ponto positivo!

.

Mãos à obra e bons negócios, 

.

com boas vendas e clientes encantados com o seu telefonema!!!

.


SR. PROF. JOSÉ TEOFILO NETO
.
DIRETOR
COMUNICAÇÃO DIRETA CONSULTORIA

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

"DICAS E CURIOSIDADES" Nº221 DO WWW.SDR.COM.BR

.

.

..

.

"Tens de beijar muitos sapos antes de encontrares um príncipe."

.
Princípio da 3M

.

.

Fale bem, ouça melhor
.

Segundo Peter Drucker, 60% dos problemas no trabalho resultam de uma comunicação pouco eficaz. Logo, para ser um bom chefe você precisa de comunicar melhor com os outros.

.

Como? Comece por eliminar as barreiras de comunicação típicas, como os ambientes barulhentos, as interrupções desnecessárias e as atitudes negativas por parte dos colaboradores.

.

Faça um esforço para dizer as coisas na altura e no local certos e certifique-se de que está a ser bem entendido. E peça sugestões aos seus funcionários para melhorar o modo como comunica.

.

Outro conselho importante é o de adaptar o seu estilo de comunicação às pessoas e às situações. Mas, em qualquer dos casos, procure ser claro, aberto e honesto. Esses são três requisitos-chave para uma comunicação eficaz.

.

Por fim, não esqueça que ser um bom comunicador pressupõe ser um bom ouvinte. Tente perceber os sentimentos que estão por detrás da mensagem através da linguagem corporal e do tom de voz. 

.

Mostre-se interessado e concentre-se no que o interlocutor está a dizer, e não no que lhe vai responder a seguir. Quando este terminar, dê, então, sugestões e opiniões. 

.

.

"Os analfabetos do próximo século não são aqueles que não sabem ler ou escrever, 

mas aqueles que se recusem a aprender, re-aprender e voltar a aprender."

.
Alvin Toffler, futurologista

.

.

A melhor maneira de ser líder é ser líder!

. 

Como fazer para ser sempre lembrado por seus:

  • clientes, 

  • Representadas

  • fornecedores, 

  • amigos 

  • namorada (o) ? 

Você precisa ser reconhecido como líder dentro da cabeça deles. O seu público não importa qual ele seja não tem "disco rígido" suficiente para memorizar mais de 3 nomes de fornecedores de PCs, de Flores ou de Copos de Plástico. - Para ser lembrado, e por conseqüência ser consultado e poder manter seus clientes, você precisa estar no topo da mente do seu público. Você precisa ser visto como a ou opção de compra. 
.
Veja por você mesmo:  - Das últimas 10 vezes que você foi ao cinema ou supermercado, quantas vezes você foi ao mesmo local ?  - Nos dias de hoje, o consumidor não tem tempo para escolher marcas. Se você não trabalhar para ser percebido como primeiro ou segundo lugar, você provavelmente não estará por aqui no futuro próximo. 
.
Mas não pense que para estar em primeiro ou segundo lugar, você precisa investir pesado em propaganda. Aí é que está o erro. Existem muitos outros fatores importantes a considerar e que integrados podem ser invencíveis. Por exemplo: 

  • Criar uma vantagem competitiva que não possa ser facilmente copiada por seus concorrentes, 

  • ter qualidade e inovação na execução de seus produtos e serviços, 

  • voltar sua empresa para os seus clientes, 

  • motivar os seus funcionários, 

  • estar aberto a novas idéias (veja os portais de educação, se preocupar em encontrar Líderes para sua empresa. 

Quanto você investiria para iniciar essas ações ? Faça a conta. - Zero. Ou melhor, poderia significar economia de recursos para sua empresa. 
.
Lembre-se sempre:  - O líder não nasce da noite para o dia. É preciso ser líder todos os dias. Pensar como líder todos os dias. Ter postura de líder. Reinventar a sua empresa todos os dias. Estimular a criatividade. Sorrir. 
.

Acredite. Se você realmente quiser você consegue

.

.

 SR. PROF. RICARDO JORDÃO
.FUNDADOR, PRESIDENTE, SEU AMIGO
.


 
http://www.bizrevolution.com.br  -   ricardom@bizrevolution.com.br 

.

.

Se enfrenta uma recessão, não precisa de despedir trabalhadores; 

a companhia tem de sacrificar os seus lucros. 

Faz parte do risco e da responsabilidade da gestão. 

Os empregados não têm culpa; por que é que têm de sofrer?

.
Akio Morita, co-fundador da Sony

.

.

Joseph Marie Jacquard 

.

Nasceu em 1752 em Lyon, França e faleceu em 1834 em Oullins. 
.
Mecânico e inventor francês. Filho de um tecelão, trabalhou com seu pai desde a infância em uma tecelaria de seda e tratou de melhorar o tear automatizando-o.

.
Apoiado por Napoleão Bonaparte, apresentou em 1805 o tear de Jacquard, máquina que permite fabricar telas com fios de várias cores e intrincados desenhos mediante o uso de cartões perfurados, e que podia ser manejado por um só operário. A nova máquina foi vista com hostilidade pelos tecelões, que queimaram muitas e atacaram o autor, mas finalmente se impôs.

.
Em 1819, o governo francês concedeu a Jacquard uma medalha de ouro e a Legião de Honra. Sua idéia dos cartões perfurados foi adaptada por Charles Babbage para sua máquina analítica, e por Herman Hollerith nos   tabuladores, origem dos computadores digitais modernos.

.

.
Publicidade!

.
"Fazer negócios sem publicidade é como piscar o olho a uma muda no escuro; 

você sabe o que está a fazer, mas mais ninguém sabe e não vão saber."

.
Anônimo
.

.

CONFIE EM SEU FEELING SEMPRE!

.
Um avião da Air Florida aguarda para levantar vôo no National Airport, em Washington. As condições atmosféricas são más e, apesar dos esforços da equipe de remoção, há gelo nas asas do aparelho.

.

O co-piloto chama insistentemente a atenção para o problema, mas o faz de forma medrosa, não querendo parecer desafiar o julgamento do seu superior. As últimas palavras registradas na caixa preta (que é laranja) mostram que o piloto não acredita no seu subordinado.

.

Pouco depois, o avião tenta descolar, mas cai no rio Potomac. Só 5 das 74 pessoas a bordo sobreviveram. As suas vidas teriam sido poupadas se houvesse mais confiança na cabina de pilotagem.

.

Tal como a confiança pode ser a diferença entre a vida ou a morte no avião, também pode significar a diferença entre a sobrevivência ou a extinção de um Representante Comercial. Se não levar o seu feeling a sério, outros o farão, colocando-o fora do negócio.

.
O efeito "confiança" envolve credibilidade, feedback, responsabilidade e merecimento de confiança. Os seus princípios centrais são:

  • Competência, capacidade para desempenhar corretamente uma tarefa;

  • Abertura, relacionada com a transparência e a honestidade que deverão caracterizar a sua organização;

  • Credibilidade, relativa ao cumprimento de promessas e à responsabilização;

  • Equidade, a forma como a justiça deve conduzir as decisões na sua organização.

Jamais ofereça um produto no qual seu feeling (sentimento), lhe determinar o contrário. Prefira perder a Empresa Representada, mas nunca perca os clientes! Representantes que respeitam o cliente, existem você e mais alguns no mercado, vendedores que atravessam seus interesses por cima dos princípios da ética da venda, existem milhões. Pense nisso e quebre as regras impostas por superiores, que apenas deFendem a cota diária de vendas!

Larry Reynolds

.

.

Para dialogar, pergunte primeiro; depois... escute.

.
Antonio Machado
1875-1939

. 
Poeta e prosista espanhol, adstrito da geração de 98, autor de Campos de Castilla ou Nuevas canciones; 

.

.

Eleja a sua área de excelência 
.

Sem uma diferenciação entre os produtos, torna-se difícil para o consumidor optar entre eles. Assim, escolherá o mais barato. Quando, pelo contrário, há uma diferenciação substancial entre os atributos de vários produtos, o consumidor opta por aquele que oferece o melhor valor, pesando os diferentes fatores de diferenciação. 

.

Nesta situação, pode levar-se o cliente a pesar mais o atributo em que o nosso produto é melhor, ou mesmo introduzir outro diferenciador que até então não fora ponderado na decisão. Seguindo a sugestão de Michael Treacy e Fred Wiersema em The Discipline of Market Leaders, sua empresa deve diferenciar-se através de:

  • Liderança do produto (o melhor produto): é o caso da Nike, Pepsi, Microsoft, Glaxo ou Johnson & Johnson;

  • Excelência operacional (o melhor custo total): Federal Express ou McDonald’s; 

  • Intimidade com o CLIENTE (a melhor solução total). 

As principais propostas de valor são:  

  • melhor qualidade, 

  • melhor performance, 

  • maior fiabilidade, 

  • maior durabilidade, 

  • segurança, 

  • rapidez, 

  • melhor valor pelo seu dinheiro, 

  • mais barato, 

  • mais prestigiado, 

  • melhor design e 

  • mais fácil de usar. 

O enfoque deve ser menos na aquisição de novos clientes e mais na retenção dos bons clientes atuais. Eis nove estratégias para aumentar a lealdade dos clientes:

Serviço mais rápido. A seguradora Progressive Insurance por vezes chega à cena do acidente antes da polícia, transporta o sinistrado ao hospital, se necessário, avalia os danos e entrega imediatamente o cheque ao segurado.

.

.
"Nunca encontrei uma pessoa tão ignorante que não possa aprender algo dela."
.
Galileo Galilei  1564-1642

Físico e astrônomo italiano, protagonizou junto a Johannes Kepler o inicio da revolução científica, e foi primeiro no uso do telescópio para a observação 

de fenômenos celestes.
.

.

.

..

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

....

.. " VOCÊ QUER CHEGAR A UM ACORDO "

.

DE QUALIDADE SUPERIOR?

.
SR. PROF. JOSÉ AUGUSTO WANDERLEY

.

.

Nos dias de hoje, de parcerias, capital intelectual, gestão do conhecimento, alianças estratégica, fusões, incorporações, joint ventures, Internet e um novo estilo gerencial, é preciso negociar e cada vez melhor. Para tanto, é essencial que se entenda as formas de proceder. Negociação é o processo de se buscar um acordo, e todo acordo é conseqüência de decisões entre as partes. 
.
A grande questão que se coloca é a qualidade da decisão, ou seja, se ela atende aos interesses das partes envolvidas ou se apenas aos de uma delas, em detrimento dos interesses da outra. Mais ainda: se estes interesses são ou não atendidos de forma criativa com o encontro de soluções novas, não previstas inicialmente e de qualidade superior.
.
Existem, em termos de negociação, duas formas de se chegar a um acordo, ou seja, a uma decisão. Uma é a barganha de propostas. Outra é a solução de problemas. A característica básica da barganha de propostas é que cada uma das partes defende a sua proposta sem se preocupar em entender ou aprofundar o entendimento daquilo que está sendo negociado. 
.
Já na solução de problemas, os negociadores seguem as etapas do processo decisório e de solução de problemas. Procuram primeiro compreender a situação para só então buscar soluções. A maneira como se decide, barganha de propostas ou solução de problemas, leva a três tipos de desfecho nas negociações. Primeiro, o acordo satisfaz os interesses de ambos os negociadores. Segundo, o acordo satisfaz os interesses de um deles em prejuízo do outro. Terceiro, a decisão é contrária aos interesses dos dois lados, ou seja, ambos saem perdendo. 
.
Quem negocia em termos de solução de problemas está buscando o primeiro dos desfechos. Sua postura é: "um acordo só é efetivamente bom quando os interesses de ambos os lados são atendidos." Neste caso, existe um processo de tomada de decisão compartilhada. 
.
Quem negocia em termos de barganha de propostas adota a seguinte postura: "cada um que defenda os seus interesses, não importando se em detrimento dos interesses da outra parte." Seguem o lema de Ashleigh Brilliant: - "
Eu sempre ganho. Você sempre perde. Poderia haver coisa mais justa do que isso?"
.
A negociação com tomada de decisão compartilhada é a mais difícil, pois é necessário que os negociadores ao fazê-la entendam não apenas de processo decisório, mas que também levem em consideração mais dois fatores: os aspectos psicológicos e os dos relacionamentos entre as partes envolvidas.
.
Entre os aspectos psicológicos da decisão devemos considerar a orientação temporal dos negociadores. Algumas pessoas são passado orientadas. Outras são futuro orientadas.
.
As pessoas passado orientadas estão voltadas para os problemas. Em geral, buscam culpados e pontos fracos e costumam ser benevolentes com os próprios erros. Estão voltadas para ameaças e não para oportunidades. Para não tomarem contato com informações desagradáveis usam os mecanismos de rejeição, distorção e negação. Com isto não podem corrigir erros e desvios a tempo. As pessoas futuro orientadas procuram soluções. Não ficam se lamentando pelo que aconteceu. Aceitam o passado como um dado.
.
Se o pneu do carro furou, tratam de trocá-lo e não ficam vociferando contra o prego. Se a luz apagou em função de pane no sistema elétrico, acendem uma vela e não ficam praguejando contra a escuridão. Aceitam as informações desagradáveis como um feedback negativo e, assim, sabem que alguma coisa precisa ser feita para corrigir algum desvio.
.
Um outro ponto a ser considerado é o dos relacionamentos entre os negociadores. Todo relacionamento importa emoções. Para que se possa tomar uma decisão compartilhada com qualidade é preciso saber trabalhar muito bem com as emoções. As emoções são cegas e não sabem distinguir o que é importante do que não é. O que vale mais é o simbólico e não o relevante. Assim, pequenas coisas destituídas de valor passam a ter importância preponderante. 
.
Os manipuladores, em geral, sabem muito bem como trabalhar com as emoções, fazendo que as pessoas percam o senso de direção, tenham a sua atenção voltada para pontos irrelevantes, descuidando-se daquilo realmente essencial. Muitas vezes, os processos manipulatórios são sutis e estão travestidos até mesmo com fachadas éticas e de boa parceria, isto é, embalados num belo discurso. O fato é que as emoções apresentam aspectos desconcertantes, como ficou evidenciado no recente caso do Kosovo, em que os ódios suscitados numa guerra ocorrida no século XIV continuam presentes até hoje.
.
Existem alguns pecados que ocorrem com freqüência no processo de decisão e que acontecem também na negociação baseada na solução de problemas. Entre eles, os seguintes:
.
Não descrever a situação de forma adequada, procurando fatos e coletando informações necessárias para se definir apropriadamente a situação-problema, ou seja, o que se está negociando; 
Optar por uma alternativa de solução sem antes formular um número adequado de possibilidades. Lembre-se: a melhor solução de que se dispõe é tão boa quanto a melhor alternativa formulada; 
Acreditar que exista uma solução sem pontos negativos; 
.
Não planejar adequadamente a implantação da decisão tomada, estabelecendo mecanismos de controle. Considere que a negociação só acaba quando o acordo foi cumprido e não quando foi efetuado. Negociar na base da tomada de decisão e solução de problemas é muito mais difícil e demanda muito mais competência. Mas compensa, e não é de hoje. 
.
Já nos anos de 1072-73, as cidades italianas de Veneza e Gênova negociaram uma parceria para se lançarem em viagens comerciais e com isto auferiram ótimos resultados. Mas não precisamos ir tão longe. Podemos nos reportar ao caso da Procter&Gamble e da Wal-Mart, que negociavam na base da barganha de propostas, do negociador durão e da queda-de-braço, num relacionamento verdadeiramente turbulento entre elas. Estas empresas resolveram mudar seus procedimentos e passaram a negociar na base da solução de problemas. 
.
Em vez de ficarem barganhando propostas, com o vendedor colocando seus preços lá no alto e o comprador lá embaixo, passaram a adotar uma outra forma a de encontrar uma resposta para a seguinte pergunta:  - Como podemos aumentar as vendas e reduzir os custos? Com isto surgiu a criação de um sistema informatizado de inventário, com o qual as duas empresas pouparam milhões de dólares, tiveram seu relacionamento fortalecido e aumentaram seus negócios em 3 bilhões de dólares.
.
Esta pode ser a diferença entre a barganha de propostas e a solução de problemas. Mais lucros nos seus negócios, parcerias com resultados mais efetivos e comprometimento das pessoas na empresa.
.
E tudo isto pode ser muito simples. Basta que você decida negociar na base da solução de problemas e encontre as formas corretas de fazê-lo.


.

.

SR. PROF. JOSÉ AUGUSTO WANDERLEY
..
CONSULTOR

.

..

.

.

.

.

.

.

.

.

.

JORNAL DICAS DA SEMANA DO WWW.SDR.COM.BR Nº221

.

TRANSPORTES   LOGÍSTICA

.

INTRODUÇÃO AO TRANSPORTE E A LOGÍSTICA

.

Bem vindos amigas e amigos,

.

Vamos neste novo suplemento do jornal, examinar as incidências do transporte e da logística na representação e na venda, já que são setores vitais e influem influem diretamente nas nossas empresas como analisaremos a seguir.  - Sem dúvida que após tantos passos dados ate a conseguir o produto acabado, deixar que o transporte ou um mal gerenciamento de logística anule a venda, é um crime contra nossos clientes, nossas representada e contra nossa representações. Por isso começaremos a analisar todos os passos que envolvem as logística, o carregamento, a coleta, armazenagem, transporte, entrega, descarga e confirmação do LEAD de expedição de nossos produtos, para minimizar os efeitos nocivos de um contrato de transportes e para podermos começar a gerir e intervir antes que  suceda.

.

Como Representantes e Profissionais da venda, somos todos obrigados a conhecermos cada detalhe do transporte, cada carroceria, cada pallet, cada container, cada empilhadeira, a formação de custos de um transporte, o que significa logística de movimentação e entregas, os diferentes meios de transportar mercadorias e os acondicionamentos delas nos diferentes transportes, além de ter elementos para calcular os tempos de entrega pelas diferentes distâncias, pelos volumes e pelos pesos dos materiais vendidos, além de termos elementos que nos permitam saber que os preços cobrados estão na realidade e na média do mercado.

.

Faremos algumas apresentações iniciais da história dos meios de transporte, o surgimento e a importância da logística nas vendas, e mostraremos quais os elementos que intervêm neles. Mas sobre tudo, queremos que cada representante e profissional de vendas, entenda seu valor e seu peso, dentro dos transportes.  - Essa área é a que consideramos de maior importância para nossa classe, porque a partir desse entendimento, que poderemos mudar os conceitos e progredir nas relações que mantemos com os transportadores.

  • Quem já não teve problemas de cobranças de fretes com os clientes ao recomendar um transportador?

  • Quem já não perdeu clientes por isso, 

  • quem já não arrancou os cabelos com entregas atrasadas E mercadorias perdidas

  • Quem já foi vítima de entregas em endereço errado?

  • Quem já não teve mercadoria avariada por negligencia no manuseio ou transporte?

  • quem já não foi tripudiado por uma empresa do setor? 

  • Quem já não teve que pagar um frete do próprio bolso, porque o transportador foi anti ético?

E se pensarmos friamente nós somos os maiores vendedores de frete e ainda que não ganhamos nada com isso, ainda tomamos prejuízos enormes, nos desgastamos e nos vemos envolvidos com custos altíssimos quando temos que ir atrás das reclamações...

.

Para colocarmos cada pingo no i correspondente, vamos entrar firmes e conhecer todas as áreas do transporte para que tenhamos meios de melhorar nossas indicações e os resultados. - A união faz a força, mas o conhecimento que permite a mudança. 

.

 

QUEM FEZ O PRIMEIRO CAMINHO: - O animal ou o SER HUMANO ?
..

 

É sabido que os animais tem a tendência de sempre seguir o mesmo caminho, tortuoso claro, quantas vezes já vimos ou lemos que os animais seguem o mesmo caminho sem precisar se é mais curto ou o mais reto ou mais fácil? Na Itália, os pastores de ovelhas fazem os caminhos obedecendo sempre uma reta, seguida de uma curva e mais uma curva depois, para a continuação seguir e enfrentar mais uma reta de vários metros. Isso se faz porque a ovelha se conseguir ver o fim do caminho, ela vai prosseguir, mas se não consegue ver onde que é o fim do caminho, ela não quer mais andar e empaca.

Mas e o homem porque teria se utilizado do transporte?
Em tempos remotos, lá nos primórdios (quando o ser humano andava pelado como veio ao mundo), entendemos que após caçar, começou a desfrutar da pele como abrigo em algum rigoroso inverno, e deve ter carregado essas peles e os elementos de manutenção, tipo as ferramentas para poder subsistir nas próximas necessidades. Claro que antes deve ter deixado tudo atirado e quando lhe fizeram falta fico P. da vida por não as ter carregado, para quando as precisasse.
.
Depois de ter amontoado peles e alimentos, deve ter pensado em convencer, partilhar ou escravizar alguém para lhe ajudar a transportar os pertences. E algum outro vendo que isso não dava o resultado pretendido, deve ter domesticado algum animal para lhe ajudar a transportar...  - Mas isso são viagens que cada um deve fazer por se, quem sabe não descubra outras formas e idéias mais loucas ainda. Ou seja que o transporte sem precisar mesmo quando foi que nasceu ou se necessitou, podemos estabelecer que de uma maneira ou outra, sempre esteve ligado a nós e nossos antepassados, até para carregar um filho, uma fêmea prenha, um ancião ou um grupo para se defender.
.
Mas deixando essas origens loucas de lado, os Romanos que nos deixaram seu maior legado no transporte, graças a sua sede de poder e conquistas e por ter combatido tantos povos. Daí que vem um dos relatos mais impressionantes que lemos até hoje e que teimam em estar presentes em todos os momentos em que pensamos em Transporte. Mesmo tendo muito de fabuloso, a maior conotação, é que os animais inteligentes (pessoas), tem por costume continuar e avançar utilizando-se muitas vezes, de caminhos prontos para alcançar seus objetivos, e isso fica demonstrado com o relato a seguir...

.

.l

"A LARGURA DA VIA DO TREM" 

.
A largura da via dos trens nos EUA é de 4 pés e 8,5 polegadas. Número bastante engraçado. Mas e o porquê dessa largura ? - Porque assim que se fazia no Reino Unido, e as vias de trens americanas foram construídas por Ingleses expatriados. 

.
E por que os Ingleses usavam essa largura ? - Porque as primeiras locomotivas foram construídas pelas mesmas pessoas que tinham construído as antigas locomotivas, e essa era a largura que usavam. 

.
E por que eles usavam tais medidas ? 
Porque usavam as mesmas plantas e ferramentas que se usavam para construir carruagens, que já utilizavam essa medida. 

.
Bem! Mas por que as carruagens usavam essa medida de espaço entre as rodas ?
Porque se tivessem outra qualquer, teriam quebrado em algum velho caminho inglês, já que essa é a distância entre as vias de rodagem. 

.
Ótimo! E quem construiu esses velhos caminhos com vias de rodagem dessa medida ? 
As primeiras estradas de longa distância na Europa (e na Inglaterra), foram construídas pelo Império Romano, para suas legiões, e têm sido usadas desde então. 

.

Os carros das legiões Romanas, formaram as vias de rodagem iniciais, que quaisquer outros tinham que imitar por medo de destruir as rodas de suas carruagens. Já os carros feitos por, ou para o Império Romano, eram todos iguais, quanto ao espaço entre as rodas. 
.
Assim, então, a largura da via standard nos EUA, de 4 pés e 8,5 polegadas, deriva originalmente de um carro de guerra romano. Especificações e burocracias vivem para sempre. Assim pois, a próxima vez que nos derem algumas especificações e nos perguntemos quem foi o cavalo que tirou essas medidas, podemos estar certos que foi exatamente isso que aconteceu, já que os carros de guerra romanos foram feitos pela largura das ancas de cavalo (medida da bunda a grosso modo de falar), para acomodar justamente dois traseiros de cavalos. 
.
Lembra nos filmes de Burt Lankaster, as corridas de carruagens ? - Com isso já temos a resposta à primeira pergunta original. E quer saber mais um pouco, agora usando mais lógica e apenas isso ? 

.

Há um interessante aspecto que reúne tudo isto!!! Já assistiu uma lançadeira de foguetes espacial, na sua rampa de lançamento ? - Bom, notaremos dois grandes foguetes unidos ao lado do principal tanque de combustível, né? São os chamados SRB (Solid Rocket Boosters) e são construídos por Thiokol, em sua fábrica de Utah - EUA. 
.
Os engenheiros que os desenharam, bem teriam preferido fazê-los mais largos, mas os SRB's tinham de ser enviados por trem, desde a fábrica até o local de lançamento. Mas como a linha ferroviária era por um túnel, nas montanhas e os SRB's tinham que caber através desse túnel, o qual apenas é ligeiramente mais largo que a via do trem, para o qual foi construído, eles tiveram que ser adaptados a essas medidas, ou de acordo com a bunda do cavalo. 
.
Assim, o desenho dos foguetes impulsores dos mais avançados sistemas de transporte espacial do mundo, foi determinado fazem dois mil anos, pela largura da bunda do cavalo... - Então, a partir de agora, lembre-se que, qualquer situação pode ser adaptada. Basta apenas que você precise dela e queira que aconteça.

.

Deu para sacar de onde se remontam algumas falhas...? 

.

.

História do transporte por estradas

.
As estradas romanas caíram em desuso e veículos de rodas praticamente desapareceram ao longo da Europa até que começarem a retornar lentamente quase mil anos depois, durante a Idade Média. A maioria do transporte de pessoas e bens era feito à pé ou por animais de carga. As pontes que habitualmente se encontravam sob a responsabilidade das ordens religiosas, eram a prioridade principal, na medida em que os cruzamentos de água eram muito perigosos.
.
Carruagens grandes com capacidade de duas à quatro toneladas e puxadas por cavalos ou bois, os quais podiam ter uma equipe de até 6 animais, começaram a aparecer em finais do século XVI. O comércio entre cidades estava se desenvolvendo e o movimento para envio marítimo costeiro era demasiado lento e irregular.

.

Algo deveria ser feito com relação às estradas, e não demorou para que a primeira legislação para manutenção, ainda que ineficaz, fosse elaborada. Os carros públicos também apareceram. Eram lentos, chegavam a pouco mais de 6 quilômetros por hora e eram incrivelmente incômodos, não apresentando nenhum conforto, tão pouco tinham rodas com raios. De todas as maneiras as pessoas viajavam pouco ou nada, e raras vezes para o prazer, devido às péssimas estradas, particularmente piores durante o inverno.
.
A expansão das estradas privadas com pedágio, além do desenvolvimento do serviço postal, andaram juntos com um crescimento rápido do transporte por estradas durante o século XVIII. Ao final deste século, pelo menos no Reino Unido, quase todas as cidades se encontravam à distância de um dia de viagem de Londres por diligência (em inglês "Stagecoach", assim chamadas por que trocavam de cavalos aproximadamente a cada hora, em lugares que cumpriam também com a função de albergues). Estas diligências conseguiam alcançar 18 quilômetros por hora, e levavam por volta de 10 passageiros. No entanto, eram naturalmente muito caras. A viagem por diligências não era para as pessoas comuns. (Para você ter uma idéia do que significa, o ser humano caminha a 5 kms hora).
.
Durante o século XIX, as tecnologias convergentes de construção das estradas e de máquinas rápidas à vapor de alta pressão, estimularam a introdução de veículos motorizados para as estradas. Na França e no Reino Unido muitos serviços regulares de transporte começaram a unir as cidades maiores.  - Alguns levavam até 18 passageiros à velocidade média de 25 quilômetros por hora. No entanto pelo menos no Reino Unido, forças poderosas conspiravam contra os transportadores. Os terratenientes politicamente poderosos haviam investido muito no transporte ferroviário e perdiam demais com a concorrência.
.
Efetivamente, conseguiram suprimir o transporte por veículo motorizado durante 60 anos, através de uma legislação que impunha um limite de velocidade de 5 quilômetros por hora. Este limite se regulava por si mesmo na medida que um veículo tinha também que estar precedido por um homem caminhando com uma bandeira vermelha, sinalizando a passagem do veículo. Bota sacanagem nisso com o pobre coitado que ia na frente...
.
De qualquer maneira a estrada de ferro provou ser provavelmente a melhor opção neste momento para o transporte massivo. As estradas não suportaram um tráfego motorizado pesado, em vista de que as estruturas de gestão de manutenção não eram adequadas naquela época. Apesar da infra-estrutura ferroviária provavelmente resultava mais cara ao construir que as estradas rodoviárias, por causa das pendências moderadas e as longas curvas que as locomotivas pouco potentes requeriam, o carril de ferro tinha custos operativos baixos.

.

Tarifas ferroviárias caíram no espaço de poucos anos e a viagem para o povo foi possível com a chegada da passagem de terceira classe. Em 1860, a maioria das cidades britânicas estavam conectadas a Londres mediante uma velocidade média de 80 quilômetros por hora. Não melhorou muito durante os seguintes 100 anos.
.
O motor a combustão interna de alta velocidade, com uma razão de potência por peso muito superior, apareceu no anos 1860. Como dependia do gás, resultava muito incômodo até que o motor com combustível líquido literalmente explodiu sobre a cena em 1880, oferecendo uma forma altamente móvel de potencia motora. 

.

A tecnologia dos veículos precipitou-se ao seu encontro e durante o século o transporte motorizado por estradas ainda era pouco comum e corrente, em desenvolvimento intenso. Durante a 1ª Guerra Mundial o transporte motorizado pelas estradas dominava o transporte local. Durante a 2ª Guerra, havia ultrapassado a estrada de ferro para viagens de longa distância. 

.

A medida que baixavam os preços dos carros, alcançando o seu ponto mais baixo no Reino Unido nos anos 30 com um valor de 100 GBP, a propriedade privada de veículos infiltrou-se rapidamente para as camadas de  ingressos inferiores, voltando generalizada nos anos 60.  - O carro agora rivaliza com o clima, como tema de conversação, e com o sexo como atividade recreativa, há quase cem anos.
.
 A bicicleta apareceu na mesma época que o carro à vapor, no entanto estabeleceu-se como meio de transporte sério uns trinta anos depois. Expandiu-se rapidamente quando se inventou a bicicleta de segurança, a qual tinha freios e correia, (a correia permitindo a eliminação da enorme roda de manejo), e logo se incorporou o pneu de caucho graças a Boyl Dunlop. 

.

Nos anos de 1870, já tinha uma forma bastante semelhante às bicicletas modernas, e era o principal meio de transporte privado, além de representar uma poderosa força de igualdade de gênero. Na medida em que, ao contrário dos veículos puxados por cavalos, extremamente sensíveis às péssimas condições das estradas, estas foram rapidamente melhoradas para adequar-se aos requerimentos da bicicleta, de acordo com os princípios de Robert Macadam. 

.

Com a chegada do veículo automotor e as nuvens de fumaça e poeira que gerava, usuários das estradas além do público apreciaram a adição rotineira da capa de asfalto que damos por sentada hoje em dia.
.
Desenho das Estradas - Com o colapso do Império Romano, a tecnologia de construção das estradas se perdeu por mais de mil anos. Sua perda se fez realmente sentir unicamente com o incremento do trafego de veículos sobre rodas assim como o tamanho destes veículos durante o século XVII, depois de um aumento rápido do comércio. 

.

No começo os veículos eram vistos como um incômodo para os desafortunados encarregados das estradas, os quais não dispunham nem de fundos nem de conhecimento para assumir tal responsabilidade. Tentou-se infrutuosamente minimizar o uso e a degradação das estradas controlando o peso, a largura do eixo, o número de cavalos e a altura das rodas. -  Todos estes controles se tornaram facilmente desrespeitados. Então, medidas sérias foram tomadas por volta do século XVIII para desenhar estradas que suportassem adequadamente o trânsito.
.
As pessoas tinham opiniões diferentes sobre a maneira que as estradas teriam que ser construídas. Alguns chegaram até a propor que fossem côncavas ou localizadas por zangas e regularmente eliminados por evacuação. Outros, talvez mais iluminados, sugeriram que fossem inclinados sobre sua largura. 

.

No entanto, certos princípios básicos começaram a enunciar-se, notavelmente o mais importante, que é a drenagem sólida. Por volta de 1750, Tressaguet na França e Metcalfe no Reino Unido propuseram um método de construção fundamentado em uma fundação firme, bem drenada, feita de pedras largas, limitadas por pedras de tamanho progressivamente menor, formando uma superfície convexa, com a finalidade de que seja impermeável à água. O método comprovou a sua solidez, no entanto sua construção e manutenção acabavam sendo muito caras. 
.
Por volta do final do século XVIII Telford no Reino Unido, propôs um conceito robusto, quem sabe demais para as necessidades do trânsito da época (desejo dos carros à vapor):  - Resultava bastante caro devido principalmente a sua espessura e fundação muito sólida, que tentava compensar a instabilidade dos caminhos firmes.
.
Foi Macadam no começo do século XIX quem desenvolveu o enfoque notavelmente mais econômico que é usado até hoje. Este enfoque requer uma excelente drenagem do subsolo para manter firme, e produz uma estrada muito mais delgada e econômica em sua construção. De feito, insistia em que a espessura devia depender da necessidade de proteger a firmeza e mantê-la seca em lugar de proporcionar uma forte capacidade de carga, este último sendo o fundamento dos enfoques de seus predecessores.
.
A primeira tentativa para prover um marco coerente para a manutenção das estradas rurais no Reino Unido aconteceu há uns quatrocentos anos. Antes, a manutenção em particular das pontes, eram executadas pelas ordens religiosas, no entanto a supressão destas durante a Reforma resultou em conseqüências todavia negativas. 

.

A nova legislação, que se fundamentava em coerção e penalidades imaginativas ao não cumprir com ela, resultou notavelmente inadequada e esteve sujeita a remendos constantes durante os próximos duzentos anos. Lamentavelmente, a medida em que as cláusulas prévias foram raras vezes revogadas, os numerosos agregados fizeram da lei um texto mais ou menos incompreensível e inaplicável.
.
A responsabilidade local para a manutenção era o princípio básico (o gestor recebia salário e se mudava a cada ano; isto seguramente causava certo alívio para o gestor, mas dificilmente pode-se considerar como uma receita para conseguir capacidade profissional).  - Dependia em grande parte de contribuições em espécie, as quais não estavam sempre disponíveis. 

.

Subseqüentemente tentou-se profissionalizar a gestão, e converter as doações em espécie em uma arrecadação de impostos sobre propriedade. No entanto, o conhecimento técnico faltou totalmente até metade do século XVIII, e esforços se despregaram para compensar o dano através do controle do peso, do tamanho e da potencia, assim como o desenho dos carros. Estes controles eram facilmente e engenhosamente evadidos. Por exemplo, quando uma roda muito larga era necessária para dividir o peso, se fazia convexa.
.
O feito de que os que utilizavam as estradas não eram responsáveis da manutenção causava brigas constantes. O problema ficou parcialmente solucionado a través da privatização generalizada das estradas principais durante o século XVIII. Isto desembocou na criação de uma multidão de trusts, cada um colocando capital para melhorar certo tramo e logo levantava fundos reembolsando mediante os pedágios. 
.
A corrupção impregnava o sistema inteiro, desde as somas enormes aos políticos para obter em primeiro lugar a carta de trust, esta malversação dos ingressos de parte dos receptores de impostos e dos membros do lugar da carta do trust. Resultava que poucos recursos ficavam para manutenção. 

.

A estrutura completa veio abaixo depois de 1830, quando a estrada de ferro começou a monopolizar o mercado de viagem a longa distância. Tentativas de introduzir veículos autopropulsados, ainda que estivesse comprovado como sendo factível, haviam fracassado por razões políticas, e os caminhos rurais caíram em pitoresco descuido até a invasão das bicicletas por volta de 1880. 

.

Os ciclistas, na medida em que provinham na maioria da classe média urbana, exerceram considerável pressão política para que construíssem estradas lisas sem barro nem poeira. No ano de 1914, sistemas racionais de gestão regional e nacional, baseados em mecanismos de co-financiamento como MATCHING GRANTS, estavam implementados e prontos para a segunda e definitiva invasão da tranqüilidade rural de parte do veículo motorizado.

.

.

.

..

.

.

.

.

.

.

.

.

.

...

.

" RUMO À EMPRESA CÓSMICA "

.

.
PROF. LUIS VIEGAS
.

.
CONSULTOR

WORKSHOP CONSULTORIAS E TREINAMENTO

.

.

"Todas as grandes verdades começaram como blasfêmias". 

Bernard Shaw
.

.
Você está tomando consciência de que algo está acontecendo com as empresas vencedoras? Talvez não tenha ainda conseguido definir o rumo que estão seguindo, mas sabe que existe algo que as diferencia das demais, não sabe? 
.
Se olhar mais atentamente vai perceber que a empresa moderna está mudando, ou será levada a mudar, caso queira cumprir a contento a mais importante de suas finalidades, a felicidade dos que dela dependem colaboradores, fornecedores e clientes. 
.
Pretendo, com este artigo, dar oportunidade a você, leitor, de buscar algo que fuja ao conceito puramente técnico/racional, e começar a questionar a empresa como um sistema vivo, administrado e impulsionado por pessoas, possuidoras de sentimentos, emoções, desejos, necessidades, enfim, de uma alma. 
.
É chegado o momento de despertar para o verdadeiro significado de "vida", quer seja do homem como indivíduo, ou integrado na sociedade/empresa. Desconhecer o lado humano do profissional é desconhecer a empresa na sua essência, uma vez que ela vive com o sopro de vida que lhe é transferida pelos seus profissionais.
.
Quero levar você, leitor, a transcender. Isso significa começar a analisar e discutir o que chamamos de "lado oculto" da empresa, que muitos empresários desconhecem ou fingem ignorar, alheios aos estragos que esse descaso está provocando ou, na menos pior das hipóteses, aos benefícios que poderiam estar usufruindo caso atentassem para algo que está presente e acontece naturalmente nas suas empresas, independente de suas vontades. 
.
Esta proposta não tem nenhum cunho religioso. Deixamos isso a critério das convicções de cada um. Mas não podemos deixar de afirmar que um pouco mais de religiosidade na família e na empresa traria resultados significativos em todos os sentidos. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas em Saúde, nos Estados Unidos, crer em Deus e ter fé não faz bem só para o espírito. Traz saúde e prolonga a vida. (Revista Veja/junho2000).
.
Mas você deve estar curioso para saber o que quero dizer quando me refiro à empresa como cósmica, não está? - Convido você a caminhar junto comigo e tentar chegar à sua conclusão. Pelo acima exposto e partindo da premissa de que a empresa é uma organização viva, constituída por humanos que têm como objetivo a satisfação de necessidades de humanos, começo colocando aleatoriamente alguns questionamentos: 

  • O profissional se molda à empresa ou molda a empresa?

  • Como anda a saúde energética da sua empresa? 

  • Como anda a saúde mental e física da sua empresa? 

A CPH Tecnologia em Saúde realizou uma pesquisa para saber a quantas anda o bem-estar físico e mental dos trabalhadores brasileiros. Sabe o resultado? Sete por cento têm pressão alta. Onze por cento sofrem de distúrbios gástricos. Um em cada cinco não consegue dormir direito. Um em cada quatro apresenta ansiedade. Mais de 25% padecem de enxaqueca e 19% têm problemas de coluna. (Revista Veja/junho 2000).

  • Dependendo do produto que comercializa e da forma como o faz, que tipo de energia a empresa recebe de volta, partindo de seus clientes?

  • Se a empresa é formada por humanos bastante heterogêneos, que tipo de energia está atuando dentro dela? 

  • Qual a energia da alma da sua empresa? 

  • Essa energia é compatível com a do mercado em que atua? 

  • Os diversos departamentos que a constituem vibram na mesma intensidade energética? 

  • Se você e sua equipe acreditam ter feito tudo o que podiam para alavancar os negócios, por que a coisa anda meio emperrada? 

  • Se 90 por cento do que pensamos e dizemos são determinados por motivos e pensamentos inconscientes, da mesma forma que não conseguimos utilizar mais que 4 por cento da nossa capacidade mental, o que a empresa está fazendo para melhorar esse quadro? 

  • Os profissionais sabem utilizar suas ferramentas de Poder psíquico para negociar? 

  • Por certo você já ouviu falar em Feng Shui. Isso diz alguma coisa na sua empresa? 

  • De que forma os profissionais são levados a acreditar e deixar fluir suas intuições? 

  • Os profissionais são levados a pensar no futuro, formar uma "visão" da empresa nesse futuro, e programar suas mentes para chegar lá com sucesso? 

  • De que forma o passado interfere na vida atual da empresa e como são interpretados presente e futuro? 

  • De onde vem a força motivacional dos profissionais da sua empresa? 

  • Se os profissionais, em especial os de vendas, lidam com pessoas, o quanto eles conhecem de fato sobre "pessoas"? Será que eles pelo menos se conhecem? 

  • De onde vêm as idéias e como está sendo administrado o capital intelectual da sua empresa? 
    Existe consciência de que a essência criativa interior é que fornece a intuição, a vontade, a alegria, a força e a compaixão?
     

A relação de perguntas é infinita! Acredito, porém, serem suficientes para mostrar o tipo de visão que tenho ao falar em Empresa Cósmica. Se você acredita que a empresa é uma instituição pulsante e viva, então ela possui energia, alma, consciência, chame você da forma que preferir e achar mais conveniente.
.

.
A Nova Era está ampliando o conceito dimensional das empresas. 
A globalização acaba de mostrar que não existem mais limites a nível horizontal. Agora a idéia de Cosmos amplia ainda mais esses limites. A teoria do físico J. S. Bell, recentemente comprovada, endossa a física quântica e vai mais além, confirmando que há uma conexão entre você, tudo e todos no mundo, reforçando o conceito de Inconsciente Coletivo proposto por Jung. O simples bater de uma borboleta na Amazônia é sentido nas geleiras eternas do Himalaia. 
.
Por outro lado, Platão já afirmava haver três formas de conhecimento. As duas primeiras, já conhecidas entre nós, envolvem os sentidos físicos e a razão. A terceira forma, à qual chamava de loucura divina, refere-se a uma forma espiritual ou divina de conhecimento, que cresce de forma incontrolada dentro de cada indivíduo, e que a ela deve entregar-se caso queira ser eficiente e criativo nos negócios. 
.

.
Por outras palavras - a saída é para dentro! 
Entendemos, então, como Empresa Cósmica, toda aquela que consegue atuar indistintamente em todas as dimensões, partindo do interior da mente coletiva que cada uma possui. Loucura! Deve estar você pensando. É verdade. Apelando, para Platão, como meu advogado de defesa, ele diria: loucura sim - mas divina!

Este artigo tem exatamente essa finalidade - polemizar e criar dúvida na mente do leitor. Talvez você, ao querer provar que tudo não passa de uma tremenda maluquice, acabe encontrando uma parte da verdade e juntando-se a mim em busca de outras verdades. 
.
Aí, quem sabe, acabará encontrando e assumindo o ser cósmico que é, e nunca deixou de ser. Um novo mundo se apresenta, com muitos paradigmas a serem quebrados. Nova Era, certeza de diferentes verdades. Uma das ciências tida como a mais dogmática e rígida, é a que mais tem mudado nos últimos tempos - a física - na certeza de que ninguém mais é jogado na fogueira da Inquisição, como o foram aqueles que defenderam, mesmo que acertadamente, a tese de que o sol era o centro do Sistema Solar. Pelo menos do nosso Sistema, já que muitos outros estão para ser descobertos. 
.
Ainda em vôo rasante a baixa velocidade para dar oportunidade a todos os que nela desejam embarcar, a Nave do Saber continua cruzando nossos céus em direção a uma nova era. Não sabemos definir por quanto tempo ainda, apenas que os fatos acontecerão em períodos de tempo cada vez mais curtos. 
.

.

Nessa Nova Era só terão lugar os "Sabedores",  

.

ou seja, os que foram capazes de conjugar Sabedoria com Amor. 


.

.

PROF. LUIS VIEGAS
.
CONSULTOR

.

Luis Viegas - Administrador de empresas, pós-graduado em Marketing. Especializado em Treinamento e Desenvolvimento de Pessoal, com diversos cursos nos Estados Unidos e Europa. Exerceu a função de executivo em empresas nacionais e multinacionais. Consultor de Marketing no projeto NIDO/FIESP/SEBRAE direcionado para orientação à pequena e média empresa. 

.

Instrutor de Cursos coordenados pelo Desempi/Fiesp. Debatedor de áudios de treinamento. Autor da Coleção de áudio: “As Vendas estão Caindo! E agora?”. Palestrante Motivacional. Autor de artigos sobre Marketing, vendas e comportamento.

.

WORKSHOP CONSULTORIAS E TREINAMENTO

.

..

.

.

.

.

.

.

.

.

.

PIADAS DO JORNAL "DICAS DA SEMANA" Nº221

......

PIADA DE COR AZUL = LINDINHAS
PIADA DE COR ROXA = PICANTES
PIADA DE COR MARROM = POLÍTICA
PIADA DE COR VERMELHO = PAHH
PIADA DE COR VERDE = ENJÔO!
PIADA DE COR PRETO = FEIA

De manhã, o pai bate na porta do quarto do filho: - Acorda, meu filho. Acorda, que está na hora de você ir para o colégio. 
Lá de dentro, estremunhado, o filho respondeu: - Pai, eu hoje não vou ao colégio. E não vou por três razões: 

  • primeiro, porque eu estou morto de sono; 

  • segundo, porque eu detesto aquele colégio; 

  • terceiro, porque eu não agüento mais aqueles meninos. 

E o pai respondeu lá de fora: - Você tem que ir, exatamente, por três razões: 

  • primeiro, porque você tem um dever a cumprir; 

  • segundo, porque você já tem 45 anos; 

  • terceiro, porque você é o diretor do colégio.

Um pinguço chega em casa todo sujo de batom na cara e na roupa. A mulher já uma fúria lhe pergunta: - Por onde você andou?

E o pinguço diz: - Não vai acreditar em mim, mas acabei de brigar com um palhaço.

Todos gozavam de saúde...até que a Saúde ficou grávida. 

cursos com especialização e certificação Argentina MBA - (MASTER buenos aires)

 

.

Especialista em Comercialização de Impressos 
(Operador de Foto-copiadora)

. 
Supervisor/a General de Bem-estar, Higiene e Saúde 
(Rapaz ou Moça/a de Limpeza) 
.

Coordenador Oficial de Movimentos Internos 
(Porteiro) 
.

Coordenador Oficial de Movimento Noturno 
(Vigilante) 
.

Distribuidor de Recursos Humanos VIP 
(Motorista de táxi) 
.

Distribuidor Interno de Recursos Humanos 
(Ascensorista) 
.

Diretor/a de Fluxos e Higiene de Áreas 
(Limpador/ra de banheiro) 
.

Especialista em Logística de Energia Combustível 
(Atendente de Estação de Serviço) 
.

Auxiliar de Serviços de Engenharia Civil 
(Pedreiro) 
.

Subalterno Auxiliar de Serviços de Engenharia Civil 
(Ajudante de Pedreiro) 
.

Especialista em Logística de Documentos 
(Mensageiro)
.

Especialista Avançado em Logística de Documentos Mecanizada
(Mensageiro motorizado) 
.

Consultor de Assuntos Espaciais e Cósmicos
(Pai de santo, curandeiro, etc.) 
.

Técnico de Merchandising 
(Repartidor de propaganda nas esquinas) 
.

Especialista em Logística de Alimentos 
(Garçom) 
.

Coordenador de Fluxo de Atividades de Gênero Desportivo 
(Magrão do skate) 
.

Abastecimento e Logística de Lugares de Alta Concentração 
(Vendedor de pipoca no estádio) 
.

Distribuidor de Produtos Alternativos Religiosos 
(Vendedor de incensos nos ônibus) 
.

Técnico Sanitário de Ruas Públicas 
(Gari) 
.

Distribuidor Geográfico Populacional 
(Motorista de ônibus) 
.

Diretor e Condutor de Grupos em Atividades Logísticas de Periculosidade
(Chefe de arrastão - Líder de delinqüentes que atacam em grupos) 
.

Especialista em Administração e Execução de Trabalhos Independentes Free Lance
(Encanador, eletricista, pintor ) 
.

Especialista em Doenças afetivas e execução de Relações Humanas 
(Prostituta) 
.

Classificador, Armazenador  e Distribuidor de Frutas, Legumes e outros 
(Verdureiro) 

.

Diretor de cursos de teatro

(Travesti)

"Para seu conhecimento:  - Alguma vez tem se perguntado porque A, B, C, D, E, F são as letras usadas para os tamanhos dos sutiãs? - Aqui está a resposta:
A - Algo de peitos
B - Bom ou quase bom
C - Cacilda! que tetas! 
D - Duplo peito
E - Enoooormes
!!! F - Faaaaalsos !!!

O Secretário Geral das Nações Unidas, pergunta, de forma privada, al Secretário de Estado dos EUA, Colin Powell: - Que provas concretas tem de que o Iraque tem armas de destruição massiva ?
Powell (em voz baixa) responde: - Conservamos todos os recibos de venda...

O homem sofria de impotência, e foi consultar um encantador de serpentes Indiano, famoso pelas suas proezas nesse tipo de doenças.- Sai da consulta com um monte de ervas, que deviam ser usadas pelo período de 12 dias, de forma regular em infusões diárias.
Mas o homem não acreditando muito, decide apenas dividir em duas doses e manda ver a poção resultante do chá. Minutos depois já começa a sentir a diferença muscular e sai atrás da mulher. Duas horas depois, não satisfeito e tendo deixado sua mulher fumegando nas partes íntimas, sai atrás do caseiro e manda ver nele também. Ato seguido corre atrás do fiel e leal amigo "totó" e papa ele também. 

E nada de se satisfazer ou diminuir a rigidez impressionante. - Nisso ele lembra que o encantador de serpentes, tinha lhe comentado, que poderia reverter os efeitos do chá estimulante, através de banhos de imersão do passarinho em leite, durante alguns minutos...
Vai para a geladeira, enche uma jarra e coloca o passarinho dentro, e atrás da porta, a empregada da casa, que estava escondida grita: - Fujam todos, está carregando!!!

.

..

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

" MARCA É TODA COMUNICAÇÃO! "

.

...

.

SRA. PROF. ROBERTA CABRAL

DIRETORA DA SAPIENS CONSULTORIA DE MARKETING

..

.

www.e-sapiens.com.br    -    sapiens@e-sapiens.com.br

.

Contato: (41) 3016-4347

 

.

.
Qual a diferença entre um comercial de cerveja, de um Banco e um chinelo de dedos? Do ponto de vista de produção, todos eles são um esmero. Conseguem chamar a atenção do público e da mídia, ganham prêmios lá fora... e quase sempre geram resultados em vendas aos clientes, certo?
.
Não é exatamente isso que Al Ries, estrategista americano de marketing e um dos mais respeitados da atualidade, pensa a respeito das recentes campanhas de comunicação de massas. Na opinião dele, a publicidade não tem credibilidade com os consumidores, que estão cada vez mais céticos e podem até rejeitar suas mensagens. 
.
Em sua última visita ao Brasil, Ries ressaltou a importância em se encontrar o equilíbrio entre as diversas ferramentas de comunicação capazes de contribuir para o posicionamento das marcas e saber discernir o melhor momento de usá-las. 

.

Ries disse ainda antes de virar anúncios e filmes publicitários, uma marca deve desenvolver seu prestígio com os consumidores, como antigamente: por meio do boca a boca. "Esse processo ocorre de forma mais lenta, porém tem mais credibilidade; na construção de uma marca, o melhor a fazer é ir devagar."
.
Para o consultor, apenas depois de se obter uma base de reconhecimento com os consumidores é que a marca deve recorrer a uma campanha publicitária na mídia. Para isso, Ries recomenda o processo de divulgação por meio de relações públicas para fomentar o posicionamento da marca perante os formadores de opinião. 

.

Microsoft, Starbucks, Red Bull e Body Shop são alguns exemplos de empresas que começaram a construir sua imagem por meio de relações públicas e depois passaram a investir em campanhas publicitárias.

Acreditar que a veiculação de um anúncio resolverá todos os problemas é um terrível engano. "Não há como ignorar os problemas da empresa veiculando comerciais bem produzidos se eles passam uma mensagem completamente diferente da realidade que os clientes conhecem".
.
É importante estabelecer o mesmo padrão de COMUNICAÇÃO em todos os pontos de contato da empresa com o mercado. Para isso, não apenas a diretoria e gerência, mas todos os funcionários devem saber exatamente qual a missão da empresa e seus valores, que significado possui a marca e como ela deve se comportar, enfim, devem estar inteiramente envolvidos com a identidade da companhia. "Não adianta você ter uma campanha de mídia bem resolvida se o seu funcionário atende mal o cliente e passa outra idéia sobre aquele produto ou serviço que o comercial apresentou tão bem".
.
Para obter melhores resultados em suas estratégias de marketing, as empresas devem prester mais atenção à figura do brand manager. - "Trata-se de um profissional que se propõe a zelar por essa ‘uniformização’ da comunicação em todos os processos que envolvem a empresa, passando pelo atendimento, layout, logomarca, equipes de vendas, campanhas de publicidade e até o carro da empresa", explica ela. 
.
O brand manager tem como função primeira salvaguardar a marca das várias distorções pelas quais ela passa desde a fundação da empresa. "Não que ela não possa ser redefinida com o passar dos anos, afinal as empresas podem e muitas vezes devem mudar seu foco. Porém que isso não seja feito involuntariamente, pelo descaso de terceiros".
.
Um exemplo típico do que pode acontecer é quando uma empresa muda seus fornecedores de comunicação. "A tendência é este novo fornecedor imprimir a sua própria maneira de ver a marca nas novas ações de comunicação da empresa. Essas mudanças de direcionamento acabam por confundir a percepção do consumidor, abrindo brechas em sua preferência para produtos ou serviços posicionados em categorias bem definidas. 
.
Este é o caso de propagandas criativas e bem resolvidas tecnicamente, mas que infelizmente não conseguem fazer com o que o consumidor consiga se lembrar da marca em si, e sim da propaganda. Neste caso específico, a agência ganha prêmios, mas acaba por perder cedo ou tarde o seu cliente". 
.

.

.

SRA. PROF. ROBERTA CABRAL

DIRETORA DA SAPIENS CONSULTORIA DE MARKETING

.

.

..

.

.

.

.

.

.

.

.

.

JORNAL DICAS DA SEMANA DO WWW.SDR.COM.BR Nº221 ...

.

.

FUTURO - TENDÊNCIAS   IDÉIAS - PENSAMENTOS

. .

 

.

.

As empresas prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. 

Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada.

.
Philip Kotler, especialista de marketing

.

.

O que é umA ciber EMPRESA
..

AS CIBER EMPRESA são o resultado da adaptação das organizações de vendas à revolução no ciberespaço, aproveitando tudo quanto ele tem de melhor. São empresas virtuais, flexíveis, globais, interativas e, em breve, serão líderes de todos os mercados. Quem se antecipar conseguirá a melhor fatia.

Algumas dicas para assegurar a aprendizagem que conduz ao sucesso dos seus negócios: 

  • Incentive a geração de um elevado número de novas idéias; 

  • Teste rapidamente as idéias e abandone as que considere más; 

  • Minimize o ciclo de introdução de novos produtos no mercado aproveitando possíveis operações virtuais; 

  • Utilize técnicas de cibermarketing para obter feedback do mercado; 

  • Através de brainstorming, obtenha idéias para reagir às exigências do mercado; 

  • Responda rapidamente, com um ciclo curto de melhoramento e reinvenção; 

  • Elimine de imediato produtos de fraca performance e essas Representadas; 

  • Identifique e aproveite as competências centrais que podem ser utilizadas em diversos produtos; 

  • Construa uma infra-estrutura de conhecimentos que contenha novas idéias e que as torne acessíveis

  • Utilize a internet em 100% de suas comunicações, contratando pessoas com essa habilidade ou instrua as que já trabalham com você.

.

OS NOVOS REPRESENTANTES E PROFISSIONAIS DA VENDA...
..

Os consumidores têm hoje à sua disposição uma vasta escolha de produtos e serviços e estão suficientemente informados para resistirem às técnicas de persuasão dos especialistas de vendas astutos e "bem-falantes" do passado.

.

O pessoal de vendas necessita de muito mais do que apenas "dom da palavra" e um sorriso encantador. Necessita compreender e antecipar a resolução dos problemas dos clientes e ainda desenvolver um relacionamento estreito com eles.

.
Tradicionalmente, os representantes tinham uma responsabilidade específica: Satisfazer os clientes, resolvendo os seus problemas. Para isso, as qualificações de que necessitavam não iam além das que são atualmente necessárias a um bom vendedor. 

.

Por exemplo, os representantes ouviam pacientemente os problemas dos clientes, conheciam cada um deles pelo nome e, ao contrário dos vendedores, mantinham uma atitude reativa, ou seja: - Resolviam os problemas dos clientes, depois de os ouvir cuidadosamente.

.
Hoje, tudo mudou. Para que os representantes sejam parte integrante de um departamento de vendas eficiente, eles terão que se tornar pró-ativos. Têm de falar com os clientes, e não para os clientes. 

.

Têm que aproveitar ao máximo a proximidade com os clientes, descobrir e explorar as oportunidades de vendas em cada conversa. A sua atuação inclui as seguintes tarefas:

  • Fazer perguntas e descobrir oportunidades de vendas;

  • Ouvir cuidadosamente e interpretar as respostas dos clientes;

  • Organizar os contactos a fazer, de forma a conseguir o maior número de contratos com clientes;

  • Superar os possíveis obstáculos à efetivação da venda.

Charles D. Brennan, Jr

,...

.

Fale com estilo e imaginação
.

As pessoas com magnetismo atraem outras porque rompem com a monotonia das palavras suaves e com o pensamento mundano que nos rodeia. Para melhorar o seu magnetismo é necessário que pratique os hábitos mentais de que são dotadas as pessoas carismáticas. Precisa de aprender a falar e a pensar como elas.

.

As pessoas magnéticas enriquecem o seu discurso com linguagem colorida e excêntrica. Para isso procure palavras e expressões que reforcem o que quer dizer. Por exemplo, em vez de dizer “não cometa erros”, diga “acerte à primeira”. E não tenha medo em empregar a palavra “revolução” ao falar de mudança.

.
Outra forma de tornar o seu discurso memorável é utilizar analogias e metáforas imaginativas. Ao dizer “os nossos clientes têm de nos confiar o seu dinheiro assim como confiam a sua saúde aos seus médicos” está, por exemplo, a recorrer a uma analogia. 

.

Mas uma metáfora como “o nosso departamento é como um veículo com tração às quatro rodas. Estamos prontos para entrar em ação quando alguém precisa de sair de uma situação difícil” pode-lhe ser muito útil.
.

O mesmo é verdade para as anedotas e histórias, que não têm de ter muito suspense ou piada, desde que ilustrem bem o seu ponto de vista. Tornar-se um bom contador de histórias vale a pena.
.

.

notícias

.

Sonho de consumo de brasileiros é pagar contas em dia - O Globo Online
A compra de um imóvel ou mesmo de um carro já não figuram entre os sonhos de consumo dos brasileiros. A prioridade agora é poder pagar as contas e obter uma estabilidade econômica a curto prazo. Foi o que constatou uma pesquisa que acaba de ser realizada pela empresa de consultoria Agência de Marketing em quatro grandes capitais brasileiras. Segundo Rafael Sampaio, vice presidente da Associação Brasileira de Anunciantes, a população agora está buscando sonhos mais factíveis, devido aos problemas econômicos enfrentados nos últimos anos. 
.
Sampaio disse que os consumidores não estão mais só preocupados com a marca, mas com o conjunto de serviços agregados ao produto. - Não é o fim das fantasias e dos sonhos a longo prazo. O fato é que as pessoas estão buscando adequar suas expectativas às necessidades diárias - acrescentou. A pesquisa foi feita com 1.300 pessoas da classe média em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife e demonstra, segundo Sampaio, que os consumidores estão cobrando uma postura mais honesta dos fornecedores de produtos e serviços e que na lista de sonhos de consumo, logo após o pagamento das contas, vem a necessidade de educação e cultura para poder gerenciar melhor os gastos. 

.
.
.
.

Blaster e SoBig dão energia ao mercado de antivírus - www.idg.com.br
À medida que cresce o número de vírus, o faturamento das empresas que criam vacinas contras as ameaças vai dobrar em 5 anos, revela pesquisa da IDC. Se existe um mercado que não tem do que reclamar da queda das ações da Bolsa da Nasdaq, nem da fraca expansão da economia dos EUA e mundial, este é o de empresas de software antivírus. - No mês de agosto, ameaças como Blaster e SoBig ganharam as manchetes dos grandes jornais mundiais. E com elas, as empresas de antivírus ficaram em evidência. Uma pesquisa a IDC Corp., especializada em dados sobre TI, mostra que as companhias que criam as vacinas contra estes germes digitais devem atingir faturamento de US$ 4,4 bilhões, o dobro do tamanho de 2002, quando as receitas chegaram a US$ 2,2 bilhões. Uma outra pesquisa da IDC, com empresas dos EUA, revelou também que os vírus ainda são a grande ameaça de segurança corporativa. O estudo, com 325 firmas, mostrou que 82% delas já sofrem ataques e 32% disseram que os ataques foram detectados, mas não repelidos imediatamente. 
.
.
.
.

Marketing - Gestão de marcas na faculdade - www.valoronline.com.br

Ana Couto, que desenvolveu o Blah!, marca associada a uma "comunidade" com mais de 2,4 milhões de usuários . - A Universidade Anhembi-Morumbi começará a oferecer, a partir de 2004, o curso de graduação sobre "Design e Construção de Marcas". Trata-se do primeiro curso de graduação no país ligado à atividade conhecida, nos meios especializados, de BRANDING.

Do inglês, branding é descrito como toda a atividade relacionada à criação e administração de marcas. "Notamos um crescimento do interesse sobre a gestão de marcas em nossos cursos", diz a professora Adriana Valese, coordenadora do curso. 

.

A universidade já tinha cursos sobre design digital, embalagens e games e, por conta desse interesse, decidiu criar uma comissão com profissionais e especialistas para definir a formação do curso. Nos últimos tempos, o branding brasileiro começou a ganhar mais espaço nas atividades empresariais. A experiência brasileira já está sendo exportada. 
.
Recentemente, a marca
Blah!, da empresa que leva o mesmo nome e desenvolve conteúdo para as operadoras de telefonia celular, chegou aos EUA - fruto de um acordo com a operadora Verizon. A marca foi desenvolvida pela consultora brasileira Ana Couto, especialista no tema. Controlada pela italiana TIM e nascida no Brasil em 2001, a marca Blah! é uma simples interjeição, mas já é associada a uma "comunidade" com mais de 2,4 milhões de usuários, em sua maioria adolescentes, nos EUA e outros sete países da América do Sul. "Os empresários, especialmente os brasileiros, estão acordando para a necessidade de administrar suas marcas", diz Ana. Para definir o desenvolvimento da marca, ela pesquisou o comportamento dos jovens entre 15 e 24 anos para identificar seu estilo de vida e tentar oferecer serviços via celular de acordo com suas necessidades. Ela criou um nome simples, que fosse entendido em todos os países por jovens enquadrados numa categoria de "geração móvel", usuária de celular. 
.
A estratégia do
Blah! foi criada para se tornar a maior comunidade móvel do mundo. "A idéia foi mudar a abordagem tecnológica - apenas mandar mensagens - para um conceito mais próximo à realidade da geração móvel", diz Federico Pisani Massamormile, presidente da Blah!
.
.
.
.

a tosse poderia ajudar a salvar a vida de vítimas de ataques cardíacos - www.cnn.com  
Tossir vigorosamente até que chegue uma ambulância poderia salvar a vida de pessoas que sofrem um ataque do coração causado por arritmia cardíaca, assegurou terça-feira um médico Polaco. O doutor Tadeusz Petelenz, da Fundação Cardiológica de Katowice, disse que a técnica, denominada Tosse para a Ressurreição Cardio-pulmonar, impulsiona sangue ao cérebro em momentos em que o coração começa a falhar, e permite ao paciente manter-se consciente o tempo necessário para pedir ajuda. Também poderia ajudar a retificar o ritmo cardíaco, disse Petelenz em uma reunião da Sociedade Européia de Cardiologia. Cada ano, no mundo industrializado, uma de cada 1.000 pessoas morre devido a súbitos ataques ao coração. Na maioria dos casos, o causador é uma alteração do ritmo cardíaco, conhecida como fibrilação ventricular. 
.
A circulação do sangue se detém, a vítima desmaia, e em poucos minutos se registra um derrame cerebral. A morte pode ocorrer em quinze minutos. Em 75% dos casos o ataque acontece em casa. O único tratamento real é fazer uma massagem no coração com eletricidade, o que se conhece como desfibrilação. A ressuscitação cardiopulmonar pode manter o cérebro e o coração ativos durante uns dez minutos, tempo suficiente para que uma ambulância traga um desfibrilador. Nestes casos, a tosse rítmica realizada adequadamente poderia permitir ao paciente permanecer consciente e inclusive recuperar uma batida cardíaca efetiva, disse Petelenz na reunião. Na atualidade, só uma de cada dez vítimas de parada cardíaca sobrevive sem dano cerebral grave. No entanto, os pacientes de alto risco deve-se ensinar a tossir de maneira efetiva, começando só com uma tossida a cada uma dois segundos em acessos de cinco tossidas, comentou Petelenz. 
.
Petelenz apresentou os resultados de um estudo realizado em 115 pacientes em Katowice que haviam sofrido previamente desmaios ou estiveram a ponto de perder os sentidos devido a problemas cardíacos. Ensinou a estes voluntários a reconhecer os sintomas e a tossir de forma apropriada. Os pacientes usaram a tosse em 292 casos e só foi requerida atendimento médico em 73 dos casos. Em hospitais com pessoas acometidas de afecções cardíacas são submetidas a angiogramas para analisar o estado de suas artérias, os médicos pedem em certas ocasiões que os pacientes tussam de maneira rítmica e com força afim de manter estável a circulação. O doutor Leo Bossaert, diretor do Conselho Europeu de Ressuscitação, disse que possivelmente tossir não cause dano, mas é demasiado cedo para recomendar às pessoas que o tentam em suas casas. Os sintomas que precedem a um ataque podem ser muito sutis e difíceis de reconhecer nos 30 segundos prévios a perda da consciência, disse.

.

.

Sistema de Representação para Representantes Comerciais

FONE: 51 3019 2817

.

sistema de representação comercial, vendas e serviços

.L

.

.

caso deseje alterar ou cancelar sua assinatura, clique no link a seguir:

ALTERAR ASSINATURA

.

.

ÓTIMO TRABALHO E ATÉ A PRÓXIMA EDIÇÃO!

..

ENVIE-NOS SUA Opinião - indique um tema

.

NOME FANTASIA: SDR - SISTEMA DE REPRESENTAÇÃO LTDA. - RAZÃO SOCIAL: MIGUEL PEDRO TERRA VELAZCO SOFTWARE

CNPJ: 08.704.202/0001-26 - IE: 510 19124 - ASSESSPRO (RS):Nº 518 - DATA DE REGISTRO DESTE WEB SITE: 15.04.1999

Av. Caçapava 425 - sala 03 - Petrópolis - Porto Alegre (RS) - BRASIL - cep: 90460-130

.

fone: (51) 3019 2817 - e-mail: suporte@sdr.com.br - msn: sistemasdr@hotmail.com

.

.

Sistema de Representação para Representantes Comerciais

Como página inicial  Adicionar a Favoritos

Resolução mínima de 800x600 © Copyright - SDR