Sistema de Representação para Representantes Comerciais

BIBLIOTECA EXCLUSIVA DO PROFESSOR

.

Gerentes incapazes: Reconhece algum em sua empresa?

.

prof. Félix socorro
.;

especialista em Gerência, Gestão de Negócios, Licenciado em Administração, menção em Recursos Humanos, Diplomado em DEsenvolvimento Gerencial e Técnico Superior Universitário em Administração, menção em Gerência Administrativa.

.

Trabalhou no área de Investigação e Desenvolvimento, conjuntamente com Recursos Humanos desde 1989. Foi Chefe e Gerente de Administração de Recursos Humanos desde 1995, em empresas de Telecomunicações e de Consumo Em massa.

.

Desempenhou-se como Diretor Geral de Recursos Humanos da Universidade Grande Marechal de *Ayacucho, em Barcelona, Venezuela 

.

.

www.felixsocorro.com

.

.
Depois de vários anos de interagir com pessoal base, de coordenação, supervisão e alguns níveis de gerência, é impossível ignorar um dos segredos mais conhecidos da administração contemporânea: Pouco mais de 80% do pessoal considera estar sob a supervisão de um gerente inepto. Ou o que é pior, parece ser um requisito indispensável para gerenciar, em verdadeiras e determinadas empresas, não saber absolutamente nada do negócio, de administração e de aspectos elementares do trato com o pessoal para ocupar um cargo de tanta relevância.

Deve-se entender por inaptidão a carência de aptidão para uma função, a inabilidade e incompetência, e inclusive a mostra de necessidade ou incapacidade para algo em particular. Se um gerente é inepto quando é incapaz de aceitar suas limitações (mas pode saber que as tem), de gerar um ambiente grato e inspirador no panorama trabalhista e quando, de maneira consciente ou não, induz aos subordinados a experimentar um sentimento de rejeição ou desaprovação.

Com esta expressão não se pretende ofender a ninguém, trata-se de uma realidade à qual qualquer pessoa se expõe, pois a falta de capacidade pode ser devidamente detectada e corrigida na maioria dos casos. É muito difícil tratar este tema sem cair na subjetividade, de fato seria contraditório não o fazer porque tais afirmações provêm da percepção do gerente por parte de seus subordinados e, por suposto, a percepção não é objetiva. 
.
Sentenciar a um gerente de inepto depende de muitos fatores, mas em alguns casos tais afirmações parecem fazer sentido, situações onde resulta evidente a ausência de conhecimentos práticos e inclusive teóricos de pessoas que possuem a responsabilidade de dirigir uma unidade de negócios, as quais, com uma habilidade assombrosa, fazem uso do manejo da operação que apresenta a equipe que supervisionam.

São situações claras e evidente para quem as vive e experimenta, mas carecem disso (de uma maneira incompreensível) para o resto do pessoal que trabalha na empresa e em especial para a alta gerência.

Parece suficiente perguntar a qualquer pessoa e observar que 8 de cada 10 têm queixas da maneira em que são gerenciadas e a mesma relação se repete ao perguntar-lhes se seu supervisor conhece o suficiente do negócio ou do trabalho que eles realizam.

.

Claro, com relação à segunda opção, esta proporção não aplica em redes de comida rápida nem em franquias onde o requisito fundamental é conhecer suficientemente bem todo o processo, mas não parece se ter a mesma tendência, neste tipo de empresas, quando se indaga sobre a primeira opção.

Não é um segredo, os funcionários se queixam nos momentos em que sentem que o supervisor não pode escutá-los, fazem-no de maneira clandestina nos banheiros, escadas, refeitórios ou em qualquer espaço que lhes proporcione certa segurança para expressar de maneira aberta e sem censura o que opinam de seu superior.

.

As queixas vão desde simples contradições até o efeito psicológico que gera saber que se está sendo gerenciado por uma pessoa que não possui as concorrências mínimas para fazê-lo e que, em certas ocasiões, estão por baixo de seus supervisionados.

Baseado nas expressões dos funcionários (sem importar seu nível de reporte) que experimentam este tipo de situações, onde o gerente parece ser um tipo de exemplo ambulante de inaptidão, carente dessa capacidade gerencial inspiradora e modeladora própria de quem deve ser líder; podem-se listar algumas das razões pelas quais tais características passam inadvertidas ante a alta gerência, estas são:

Se lhes valoriza porque são pessoas com uma relação de tempos na empresa: O tempo de permanência num mesmo cargo faz supor que o manejam e conhecem a plenitude e mais ainda se a operação flui sem erros importantes ou os mesmos não são do conhecimento dos superiores. 
.
Não se avalia com objetividade porque estão relacionados com o dono ou pessoas influentes da empresa: São parentes, chegados ou amigos de alguma pessoa de importância na organização, recomendados e vendidos como “bons profissionais” ou são indivíduos a quem se devem favores ou existe alguma dívida “moral”, sentimental, política ou de qualquer outra índole que obriga a mantê-los nesses cargos. Usualmente ostentam algum tipo de experiência que supõe a assimilação das operações por contraste. 
.
Consideram-se importantes porque são pessoas com títulos e reconhecimentos de envergadura: Possuem, em teoria, tudo o que se requer para manejar uma operação com sucesso, seus lucros acadêmicos os antecedem e portanto se dá por descontada a experiência. Às vezes esta situação tão só se presume, pois não há evidência da titulação.
.
Perde-se a oportunidade de questioná-los porque são indivíduos com uma importante habilidade de palavra: Sua incrível capacidade para convencer à audiência em situações de dúvidas ou conflitos e o apropriado manejo da informação, ainda que nem eles mesmos a compreendam, faz supor um nível de envolvimento próprio dos gerentes aptos. 
.
Seu superior é tanto ou mais inepto do que ele: Quando o desconhecimento da operação, o negócio ou qualquer elemento prático ou teórico está ausente nos níveis de reporte é bem mais difícil identificar a existência da inaptidão pois não existem fundamentos para opor-se às propostas ou ações que se apresentem.

A existência de gerentes ineptos é uma realidade. Existem por todos os lados e, na maioria dos casos mostram as mesmas características, algumas delas são:

Confundem a ação de gerenciar com a de governar: Um gerente capaz se envolve na operação e procura a maneira de facilitar o processo fazendo uso do trabalho em equipe, ao contrário o gerente inepto só exige soluções desde seu despacho estabelecendo tempos e especificando o conteúdo dos resultados sem ter a mínima idéia do que pede. 
.
Sempre se mostram ocupados e sem tempo: Um bom gerente organiza e administra o tempo, estabelece prioridades e sabe que tudo não é urgente. Compreende e valoriza as necessidades de sua equipe e está consciente da curva do esgotamento mental e físico do pessoal e próprio. Para um gerente inepto se requerem dias de trinta e seis horas, tudo é urgente e “para ontem”, coloca a todos os processos o mesmo sentido de prioridade e se justifica assinalando que “assim é a empresa”, exige o triplo de esforço a seu pessoal, obriga-os a trabalhar sem consertar no tempo, mas quando tem um compromisso fora do ambiente trabalhista não dúvida em retirar-se.
.
Mostram-se seguros ante seu pessoal, mas nervosos ante seus supervisores: Um gerente apto conhece ao detalhe sua operação e é capaz de defender seus alegados e posições com explicações sólidas e irrefutáveis. Ao contrário, um gerente inepto grita e vocifera ante seus subordinados, fazendo uso do poder que lhe confere a posição mas duvida, vacila ou cala ante o questionamento que lhe realize qualquer superior. 
.
Não delegam funções, dependem de sua gente: Os bons gerentes conhecem a operação, portanto, ante uma situação inesperada, são capazes de tomar as rédeas de qualquer parte do processo para que este não se detenha. Os gerentes ineptos se dedicam a justificar a ausência de bons resultados em situações onde o pessoal que atribuiu para uma tarefa em particular não assiste a seus labores. Não sabe como manter o fluxo do processo e depende de seu pessoal para que o mesmo se mantenha. 
.
Sofrem da “Síndrome de Anát”: Os bons gerentes se preocupam por procurar soluções engenhosas aos problemas de sua área, estão abertos a escutar a seu pessoal e reconhecem publicamente a autoria dos aportes que estes façam a sua gestão. Um gerente inepto vende as idéias que seu pessoal lhe sugeriu como suas. Em alguns casos pedem que lhes enviem a proposta ou o desenvolvimento de um trabalho em formato eletrônico e, depois de algumas pequenas modificações, apresentam-nas a seus superiores como se fosse o resultado de seu esforço.
.
São bajuladores, servis e exibicionistas com seus chefes: Um gerente apto não precisa promover-se dentro da empresa, a qualidade de seus resultados e o bom ambiente que produz sua gestão são elementos suficientemente importantes para ser valorizado e considerado por quem o supervisionam. Mas no caso dos gerentes ineptos não ocorre o mesmo, sempre andam falando do que realizam, ressaltando só aquilo que considera valioso ante os olhos de seus chefes, a quem atende e “puxa o saco” de uma maneira servil e pouco ética, sem importar a imagem que se forjem ante seus subordinados. Frente a seus superiores se mostram incansáveis e dedicados, manifestando que se não fosse por seu “estilo gerencial” a operação não seria um sucesso, esquecendo por completo o esforço de sua equipe de trabalho. 
.

Sofrem da “Síndrome de Cronos”: Um gerente capaz procurará a maneira de fazer crescer a sua gente, Um gerente inepto sempre estará na busca de limitações para evitar que seu pessoal o atinja. 
.
Para eles sempre há uma crise: Os bons gerentes procuram o equilíbrio entre a empresa e seu pessoal, sabem que só assim se conseguem colher bons frutos. Os gerentes ineptos, de maneira constante e repetitiva, dizem a seu pessoal que as coisas vão de mal a pior e portanto têm de aceitar as condições as quais se imponham no ambiente trabalhista, pois caso contrário estariam arriscando seus empregos. Para eles sempre há uma crise que requer de atenção e cuidado, sendo eles os únicos capazes em resolvê-la. 
.
É néscio e obstinado: Um gerente apto maneja o estresse e a inteligência emocional, escuta recomendações e promove a criatividade e a inovação, Um gerente inepto constantemente se mostra estressado e mal-humorado, empenha-se em que as coisas devem fazer-se como ele o diz e especifica o mínimo dos detalhes, mesmo quando o que deseja expressar não se veja refletido em suas demandas. Costuma empregar expressões tais como: trate de não ser criativo.

Cabe destacar que o exposto anteriormente não se cumpre em todos os casos, existem gerentes ineptos cuja tipologia é única e particular sendo quase impossível enquadrá-los em características similares às comentadas, mas cujo impacto no pessoal gera a mesma classificação de inaptidão.

Agora bem, e isto talvez é o mais importante, um gerente pode ser inepto para algumas coisas mas mostrar uma habilidade única e extraordinária para outras, pois caso contrário seria tão evidente sua carência de aptidões que não duraria o tempo suficiente na empresa para poder classificá-los.

Os gerentes ineptos costumam ser muito hábeis na palavra, na montagem de planos que os favoreçam, em dar uma boa impressão às pessoas que os desconhecem ou não são de sua área e, inclusive, em parecer verdadeiros gênios no campo administrativo. Estudam e ordenam as expectativas que seus superiores possuem deles e se as engenham para ficar bem frente a eles, sem importar o custo no capital humano que isso gere.

.

Na maioria dos casos conhecem suas limitações, ainda que não as aceitem, pelo que se valem de subterfúgios para alinhar-se com as pessoas que podem oferecer-lhes soluções ou idéias que posteriormente mostrarão como o fruto de sua experiência e reflexões.

Como afeta ao pessoal a presença de gerentes ineptos? Pode dizer-se que de muitas formas, mas as principais são as seguintes:

Geram sentimentos de frustração: Quando um funcionário descobre que sua experiência e seu nível acadêmico estão nas mãos de seu supervisor não demora em experimentar um profundo sentimento de frustração, isto ocorre devido a que o indivíduo se esforça em atingir títulos universitários e experiência em diferentes campos pensando que só assim poderá crescer e ocupar cargos de importância nas empresas, pelo que lhe resulta contraditório uma empresa onde ele esteja melhor preparado do que seu chefe.

Não obstante pode ocorrer mesmo quando o nível acadêmico os separe, seja a atitude e o estilo evidente do gerente o que gere frustração, pois não se encontra resposta à pergunta como esse inepto pôde chegar a essa posição?

Reduz a motivação: O indivíduo perde a motivação quando a empresa onde se trabalha é contrário a seus princípios, valores e aos motivos que o levaram a ocupar uma posição nela. Um princípio básico é o que estabelece que as pessoas corretas devem estar nos lugares corretos e este se contradiz quando uma pessoa que é incapaz de gerenciar possui essa responsabilidade. 
.
Produz perda do interesse pelo trabalho: É simples, se uma pessoa inepta é capaz de ocupar um cargo de envergadura na empresa para que esforçar-se? Não obstante, a presença de gerentes ineptos pode ser de utilidade de acordo ao tipo de pessoa que o experimente, isto se pode observar desde dois ângulos;

Pessoas com orgulho implosivo: Se deixarão consumir pelos sentimentos de frustração, desmotivação e desinteresse deixando a um lado suas expectativas e sonhos para aceitar sem reparos ser gerenciados por pessoas que carecem da capacidade elementar para fazê-lo. Se limitarão a expressar suas angústias, desacordos e opiniões em lugares seguros onde tais comentários não cheguem a ouvidos de seus chefes para assim garantir sua permanência no trabalho. 
.
Pessoas com orgulho explosivo: Fortalecerão suas metas e objetivos para atingir seus sonhos, lutassem por não se deixar arrastar por sentimentos adversos que lhe impeça avançar em seu desenvolvimento, observarão a situação que experimentam como passageira e se esforçarão por destacar e demonstrar o manejo ótimo da operação, senão podem fazê-lo no mesmo palco tentarão sua participação em outro.

Quem têm a responsabilidade de dirigir uma empresa devem manter a objetividade ao fazê-lo e tentar a seleção de pessoal realmente capacitado para ocupar cargos gerenciais; em alguns casos pode ser que funcione por algum tempo a tendência de gerentes ineptos à frente de uma operação, mas cedo ou tarde isso trará conseqüências negativas à organização que podem pôr em risco sua operatividade.

É um fato verdadeiro que um bom número de funcionários não renunciam à empresa senão ao gerente de sua unidade, o que deve ser um ponto de reflexão para todo aquele que possui pessoal a seu cargo e que sabe, de alguma maneira, que não está em condições de gerencia-lo. 
.
O anterior é uma das causas pelas quais há fugas de cérebros e bons funcionários nas empresas, pessoas que decidem retirar-se de organizações sólidas e promissoras devido à existência de um gerente inepto à frente do área onde trabalhavam.

Às vezes o que parece óbvio pode ser simplesmente uma ilusão ou a conseqüência da ação de um paradigma que impede ver a realidade, pelo que se aconselha estar atencioso ao estilo gerencial do pessoal que se possui nesses níveis e prestar atenção ao ambiente e aos índices de rotação dessas áreas pois, uma empresa pode estar perdendo talento humano por causa do exercício de um gerente inepto.

.

.

Sistema de Representação para Representantes Comerciais

.

sistema de representação comercial e vendas

.L

.

Como página inicial  Adicionar a Favoritos

Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2006, SDR